quarta-feira, 27 de maio de 2015

Arnold Classic tem atividades de xadrez este domingo


No marco do Arnold Classic 2015, uma série de atividades de xadrez vão ser desenvolvidas durante este domingo 31 de maio, com destaque para a simultânea que realizará o grande mestre Darcy Lima (reserve já seu lugar: são apenas quarenta tabuleiros).
Como acontecera o ano passado, o famoso ator –e ex governador de California-, solicitou que o xadrez forme parte das atividades. Scharzenegger gosta mesmo do jogo, e na edição anterior participou da simultânea que dera o mestre internacional Luis Rodi realizando alguns lances no tabuleiro. Nesta oportunidade também se espera que o ator visite a exibição de xadrez.
A programação deste ano inclui a simultânea de Darcy (de 10 a 13.30 hs.), o torneio Arnold de duplas (14 a 16 hs), e o torneio Arnold Blitz (16.30 a 18.00). O total do valor arrecadado nas inscrições destas últimas provas se destina a prêmios.

Mais informações: MF Alberto Mascarenhas (amasca@globo.com), tel. (21) 99801-4052

terça-feira, 26 de maio de 2015

Mareco é campeão continental


O grande mestre argentino Sandro Mareco foi o justo vencedor do Campeonato Continental das Américas, realizado até o passado domingo na capital da República Oriental do Uruguai, Montevidéu. Mareco soube resistir à verdadeira cadeira elétrica no que se tinha convertido a liderança, e que vinha expulsando aos anteriores líderes: a prova teve sucessivos e constantes câmbios na liderança, o que adicionou emoção à prova, que reuniu a mais de cento cinquenta enxadristas de todo o continente, sendo vinte e quatro deles grandes mestres.
O grande mestre Yuniesky Quesada compartilhou o primeiro lugar com o vencedor, mas teve inferior sistema de desempate. O cubano classificou dessa forma à próxima Copa do Mundo, e como Mareco tinha já classificado anteriormente, os três lugares restantes tiveram que se definir em um mini torneio de partidas rápidas entre os participantes que compartilharam a terceira colocação (menos os peruanos Julio Granda e Jorge Cori, que tinham classificado com anterioridade em Praia de Pipa e Lima respetivamente). Nessa instância, classificaram o venezuelano Eduardo Iturrizaga, o argentino Federico Perez Ponsa e o canadense Anton Kovalyov, ficando fora os argentinos Diego Flores e Salvador Alonso, assim como o cubano Yuri Gonzalez.
Brasil concorreu à prova com uma grande delegação, a segunda em quantidade de participantes, somente superada pelo local Uruguai. Mas a fortuna, esta vez, não esteve do lado brasileiro, e os representantes do país da samba ficaram longe dos lugares de privilégio, embora lutaram muito e tiveram chances que nas fatídicas rodadas 9 e 10 se esfumaram.

Principais posições
1-2. S. Mareco, Y. Quesada 8½; 3-10. J. Cori, D. Flores, F. Perez Ponsa, J. Granda Zuñiga, A. Kovalyov, E. Iturrizaga, Y. Gonzalez, S. Alonso 8; 11-17. C. Matamoros, E. Hansen, R. Felgaer, G. Kaidanov, C. Henriquez, M. Martinez Romero 7½; 18-32. A. Shabalov, A. Lenderman, A. Bachmann, A. Pichot, C. Hevia Alejano, D. Di Berardino, D. Vera Siguenas, A. Yermolinsky, R. Terry, K. Mekhitarian,E. Barbosa, D. Cori, C. Lujan, A. Rodriguez, S. Cunha Pereira 7; etc. (150 participantes)

Desempate (p/Copa do Mundo)

1-2. E. Iturrizaga, F. Perez Ponsa 3½; 3. A. Kovalyov 3; 4-5. D. Flores, Y. Gonzalez 2; 6. S. Alonso 1

sábado, 16 de maio de 2015

Uruguai: seis brasileiros entre os líderes do Continental

O grande mestre argentino Diego Flores (esq) é um dos líderes após vencer ao seu compatriota Jorge Sabas
Vinte e nove líderes deixou a segunda rodada do Campeonato Continental das Américas que se realiza em Montevidéu, Uruguai, até o próximo 24 de maio. Seis deles são brasileiros: o grande mestre Felipe El Debs e os mestres internacionais Roberto Molina, Evandro Barbosa, Yago Santiago, Luis Supi e Renato Quintiliano. Outros brasileiros deram algumas das surpresas da rodada: os mestres fide Ernani Choma e Frederico Matsuura empataram contra os grandes mestres Yuniesky Quezada e Gregory Kaidanov respetivamente.
O domingo vai ser o dia de dupla rodada, especialmente difícil dado que as últimas partidas em finalizar ultrapassam as cinco horas de jogo. Para a maioria dos uruguaios, esse dia tem outro atrativo: o clássico do futebol entre Peñarol e Nacional, dois grandes de América.
A prova se realiza na bela e futurista sede de Antel, a companhia telefônica estatal. O prédio tem formato de vela de navio, e pode se apreciar a grande distância pela sua altura. Lá moram nestes dias as esperanças dos 150 participantes para alcançar um dos quatro lugares para a Copa do Mundo, que é a seguinte fase no ciclo do campeonato mundial.

Andreina Quevedo (Uruguai)
Luiz Manzi (Brasil)
WFM Suzana Chang (Brasil)
WFM Maria Diaz (Aruba)
Valenzuela - Sandro Mareco

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Começou o Continental em Montevidéu


A capital de Uruguai recebe entre os dias 15 e 24 de maio o Campeonato Continental das Américas, com 150 participantes representando a treze países do continente. 42 enxadristas representam ao Brasil, com Krikor Mekhitarian e Felipe El Debs entre os principais pré-classificados de uma lista que encabeça o peruano Julio Granda Zuñiga.
Na inauguração oficial da prova, o presidente da Federação Uruguaia de Xadrez (FUA), mi Bernardo Roselli, destacou a participação dos enxadristas brasileiros. Depois de Uruguai, o país com mais participantes é Brasil.
A primeira rodada entregou algumas surpresas, como o empate do jovem uruguaio Benoit ante o grande mestre canadense Kovalyov, assim como a derrota do mf Kevin Paveto (2400 elo) ante o colombiano Henry Pereyra (1955 elo). Tanto Krikor quanto Felipe começaram vencendo seus jogos, assim como os mi Roberto Molina, Yago Santiago, Evandro Barbosa e Herman C. van Riemsdijk.

Principais resultados da rodada 1
J. Chemin - J. Granda Zuniga 0-1
Y. Quesada - B. Starke 1-0
M. Saralegui - A. Bachmann 0-1
A. Lenderman - M. Daneri 1-0
G. Genro - E. Cordova 0-1
E. Iturrizaga - L. Manzi 1-0
R. Benoit - A. Kovalyov ½-½
J. Cori - S. Caceres Vasquez 1-0
M. Moreira - R. Felgaer 0-1
S. Mareco - P. Rodriguez 1-0
G. Kimelman - E. Hansen 0-1
K. Mekhitarian - C. Cardoso 1-0
J. Ibanez - D. Flores 0-1
G. Kaidanov - D. Carbone 1-0

sábado, 9 de maio de 2015

Beliavsky: “Não acho que a diferencia entre Magnus e seus principais adversários seja tão grande quanto parece”


O grande mestre Alexander Beliavsky (Lviv, Ucrânia, 1953), um dos talentos da escola soviética e atualmente prestigioso treinador, foi entrevistado recentemente pelo site russo chessnews.ru, obtendo interessantes opiniões sobre a atualidade enxadrística mundial. Algumas delas:
“Quando falamos de reais campeões, há uma diferencia entre, digamos, Kasparov e Karpov ou –com tudo o respeito por estes muito bons enxadristas- Kasimdzhanov ou Khalifman. São diferentes campeões”.
“O valor da abertura não é inferior no xadrez feminino. Nos dias de hoje, as principais enxadristas femininas estão alcançando o nível dos homens no xadrez e obtendo bons resultados nos abertos quando os enfrentam”.
“Espero que Mariya Muzychuk tenha mais chances que Ushenina na hora de enfrentar a Hou Yifan pelo título mundial feminino. Em princípio, ela precisa fazer um forte trabalho em seis meses, trabalho que normalmente levaria dois anos. Porém se ela o faz... com o incentivo de ter ganho o título e certa ajuda, pode acontecer”.
“Se Magnus Carlsen, que em toda a sua vida não esteve envolvido em nada que não seja xadrez, opina de política o economia não é tão interessante para o público geral; agora se Kasparov ou Karpov opinam, é muito mais interessante”.
“Não acho que a diferencia entre Magnus e seus principais adversários seja tão grande quanto parece”.

“A idade ideal para o xadrez é 42-43 anos, justamente a idade que tinha Kasparov quando parou de jogar. Isto aconteceu, na minha opinião, porque ele entendeu que era muito difícil permanecer como número 1, e ele não procurava ser o 2”.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Seis compartilham primeiro lugar no Nordestão: Yago Santiago ganha por melhor desempate

O duelo entre Santiago e Jatobá pela quinta rodada
O tradicional Nordestão (VIII Memorial Arraes) teve lugar na capital pernambucana entre os dias 1 e 3 de maio, com a presencia de destacados mestres. Realizado pelo sistema suíço em seis rodadas, teve o primeiro lugar compar-tilhado por seis participantes (!). O mestre internacional Yago Santiago teve o melhor sistema desempate dentre eles. Obteve cinco pontos, ao igual que o mestre fide Paulo Jatobá, o mestre internacional Máximo Macedo, o mestre fide Francisco Cavalcanti, Flavio Bezerra e o mestre fide Luismar Brito.

Principais posições
1-6. Yago Santiago, Paulo Jatobá, Máximo Macedo, Francisco Cavalcanti, Flavio Bezerra, Luismar Brito 5; 7-11.  Marcos Valerio Souza,Licinio Correa, Wellington Albuquerque Junior, Ricardo Hiramine, Doriedson Lemos 4½; etc. (90 participantes)

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Presidente da CBX em reunião da Comissão de Desenvolvimento da FIDE


O Presidente da CBX e Presidente da Comissão e Projetos Sociais da FIDE, GM Darcy Lima, esteve em Barbados no passado 4 de maio para uma reunião da Comissão de Desenvolvimento da FIDE. Foram discutidos os projetos a serem apresentados para os diversos continentes para os anos de 2015 a 2018.
Na foto, acima, Rupert Jones e Allan Herbert, secretário e presidente da comissão respetivamente; frente deles, o GM Darcy Lima e o presidente de FIDE Americas, AI Jorge Vega.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Belém também foi para Krikor


O grande mestre Krikor Mekhitarian segue a sua boa série no Pará: uma semana depois de ter vencido o Aberto de Brasil de Marabá, conquistou a primeira colocação no Aberto de Brasil do Clube de Xadrez Cidade Velha na capital do estado, Belém.
A prova foi realizada nas instalações do hotel Beira Rio, nas margens do rio Guamá, um marco excelente para uma prova deste nível. Os participantes tiveram oportunidade de conhecer o entorno amazónico, utilizando a manhã livre para percorrer a ilha de Cambú da Amazonia. E tomar seu café da manhã e refeições com uma esplêndida vista ao rio, que era surcado por diversas embarcações. A sala de jogo, ampla e bem iluminada, foi o marco da competição em se, organizada pelo esforçado núcleo de dirigentes e enxadristas do flamante Clube de Xadrez Cidade Nova (Gleydson Barbosa, Dr. Flavio Leão, Malcom Robinson e outros). Um acerto foi a realização da prova em sete rodadas, dando mais uma oportunidade de recuperação. A prova foi arbitrada pelo AA Anderson Carvalho da Costa, secundado pelo AR Carlos dos Santos Lopes, ambos com bom desempenho.
Krikor obteve 6,5 pontos sobre 7 possíveis, vencendo as seis primeiras partidas (entre elas aos mestres internacionais Leandro Perdomo e Luis Rodi) e empatando a última com o outro grande mestre participante, Rafael Leitão. O sete vezes campeão nacional finalizou na terceira posição com este resultado, tendo comprometidas suas chances por uma dramática derrota na quarta rodada ante o mestre internacional uruguaio Luis Rodi. A segunda colocação foi então para o mestre internacional argentino Leandro Perdomo, que obteve 6 pontos. Como em Marabá, a mestre fide Suzana Chang conquistou o prêmio a melhor feminina da prova, fazendo 4,5 pontos.

As informações do torneio, com resultados, posições e algumas partidas, podem-se ver no seguinte link de chess-results: http://chess-results.com/Tnr166822.aspx?lan=10

quinta-feira, 30 de abril de 2015

China vence o Mundial por equipes

GM Ding Liren, primeiro tabuleiro da China
O Campeonato Mundial por Equipes teve lugar nessa cidade armênia, entre os dias 18 e 29 deste mês. Foram dez times se enfrentando pelo formato round robin (todos contra todos), em prova que a priori parecia muito equilibrada. A equipe de China foi a justa vencedora da prova. Para Rússia, que era a primeira pré-classificada, a prova foi um novo fracasso que se soma aos das recentes olimpíadas, porém o fato mostra também que o xadrez foi-se nivelando muito no mundo. Ucrânia ganhou a prata, enquanto a equipe local, Armênia, se recuperou de um mau começo e acabou conquistando o bronze.

Posições
1. China (23) 15; 2. Ucrânia (21) 12; 3. Armênia (18) 11; 4-5. Rússia (20½), Esta-dos Unidos (19½) 10; 6. Hungria (17) 9; 7. Israel (18½) 8; 8-9. Cuba (16½), Índia (16) 7; 10.  Egito (10) 1

terça-feira, 28 de abril de 2015

Krikor Mekhitarian vence em Marabá

Última rodada: GM Krikor Mekhitarian x Kaiser Mafra (1x0)
A segunda edição do Aberto de Brasil de Marabá (Para) teve ao grande mestre Krikor Mekhitarian como exclusivo vencedor da prova, com 5,5 pontos sobre 6 possíveis. A meio ponto, quem escreve estas linhas, enquanto o mestre internacional argentino Leandro Perdomo (4 pontos) completou o pódio.
Krikor tinha vencido também a edição anterior, mas dessa vez o primeiro lugar tinha sido compartilhado por três mestres (o grande mestre Rafael Leitão e quem escreve também obtivemos 5 pontos) e o melhor desempate teve que ser utilizado. Desta vez não houve chance para nenhum outro participante, pois desde a primeira rodada o grande mestre de São Paulo tomou a liderança, que passou a ser isolada a partir da quarta rodada, e já não a abandonou.
O torneio foi muito bem organizado por Antonio Carlos Silva Almeida, que recebeu elogios dos participantes pelo trabalho feito, incluindo melhoras no local do jogo –as instalações do hotel Itacaiunas-. Desafortunadamente o grande esforço não foi premiado com a presencia de mais enxadristas participando –muitos dos previamente inscritos não se apresentaram à prova-, mas ainda assim teve representantes de oito estados –SP, SC, AM, PA, TO, RN, GO, MA- e três países –Brasil, Argentina e Uruguai-.
Para os enxadristas da região, a realização deste tipo de provas supõe a possibilidade de ganhar importante experiência contra jogadores que são habitual concorrência no circuito de abertos de Brasil. Sem contar com os mestres, não é todos os dias que eles têm a possibilidade de enfrentar a jogadores como Kaiser Mafra (um dos referentes de Florianópolis) ou Suzana Chang (ex-campeã brasileira), que viajaram até Para a praticar seu arte.
A equipe arbitral esteve composta pelo árbitro internacional Gino Genovesi e o auxiliar Rodrigo Leal, que tiveram um bom desempenho, registrando-se o torneio sem incidentes de nenhum tipo.

As principais posições: 1. Krikor Mekhitarian 5.5;2. Luis Rodi 5; 3-8. Leandro Perdomo, Bergson Fernandes Filho, Vitor Firmo Rocha, Marcelo Cunha Guimaraes, Kaiser Mafra, Pablo Salermo do Nascimento 4; 9. Werles Milhomem de Souza 3.5; etc.
Seguem fotos da competição, tomadas pelo AA Rodrigo Leal:
MI Rodi x GM Krikor, pela quinta rodada (foi empate)
Jacquiline Aguirra vs. Talita Medrado Almeida, pela 6a rodada (0x1)
Fernando Medrado Almeida vs. Suzana Chang (5a rodada, empate)
MI Leandro Perdomo vs, Werlles Milhomem de Souza (5a rodada, 1x0)
Marcelo Cunha Guimarães - Nilton Abreu (5a rodada, 1x0)
Uma vista geral da prova

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Kasparov, sem piedade de Short em Saint Louis


O Clube de Xadrez de Saint Louis, nos Estados Unidos, foi sede, durante os passados 25 e 26 de abril, de um particular encontro que significou a volta aos tabuleiros do ex-campeão mundial Garri Kasparov, mais um em ritmo rápido –o único que o Ogro de Bakú, retirado das competições de ritmo clássico, admite participar-.
Kasparov venceu com facilidade ao grande mestre inglês Nigel Short, tanto no mini match de partidas rápidas quanto no desafio de partidas blitz: 1½–½ e 7-1 respetivamente.
O encontro se organizou de forma que cada um dos dois dias foi disputado um jogo rápido e quatro blitz. No primeiro dia, o rápido finalizou empatado, enquanto nos blitz o ex-campeão mundial tomou a dianteira pelo placar de 3-1. Já no segundo dia Kasparov arrasou, vencendo tanto o jogo rápido quanto os quatro blitz. A explicação ao placar global elevado? Estando em desvantagem, Short decidiu arriscar para encurtar a diferencia, e como as vezes acontece, a estratégia deu errado.
Ainda assim, a diferencia chama a atenção: Short, que vinha de vencer o Thai Open em Pattaya (Tailândia), parecia estar em boa forma, mas não foi adversário para um muito motivado Kasparov.

O encontro se deu no marco de uma importante novidade no xadrez mundial: a instalação de um ciclo de grandes torneios com grandes prêmios e a participação dos melhores jogadores do mundo. Vão ser quatro etapas, com três delas previstas na própria Saint Louis, o London Classic e o Masters em Noruega, enquanto se baralha a possibilidade de adicionar como quarto torneio a um a se realizar na Indonésia.

Carlsen vence com autoridade o memorial Gashimov


Magnus Carlsen venceu o memorial Gashimov, realizado até ontem na cidade azeri de Shamkir, exibindo uma atuação formidável: 7 em 9, um resultado que o coloca à altura de grandes nomes (por se mais uma mostra se precisasse). Na última rodada, o campeão mundial derrotou a Rauf Mamedov em uma Eslava Chebanenko que seguiu a linha da sua partida ante Nakamura pela edição 2014 do mesmo torneio. A atuação de Carlsen na prova teve um elo performance de 2984 elo.
Na segunda colocação se manteve Viswanathan Anand, que empatou a sua partida ante Fabiano Caruana.
Também foram empates os jogos entre Mamedyarov e Adams, Giri e Kramnik e Vachier-Lagrave e So.

Posições finais
1. M. Carlsen 7; 2. V. Anand 6; 3-4. F. Caruana, W. So 5; 5-6. V. Kramnik, S. Mamedyarov 4; 7-10. A. Giri, M. Vachier-Lagrave, M. Adams, R. Mamedov 3½

sábado, 25 de abril de 2015

Anand, a meio ponto de Carlsen a falta de uma rodada


O campeão mundial Magnus Carlsen segue liderando o memorial Gashimov, que se realiza na cidade azeri de Shamkir. A falta de uma rodada, o norueguês está com meio ponto a mais que o segundo, o ex-campeão mundial Viswanathan Anand (foto). A rodada 8 teve três partidas definidas, sendo uma das mais emocionantes da prova, pelo significado na tabela de posições.
Carlsen empatou de pretas contra Wesley So, que abriu o jogo com a abertura Inglesa, respondendo o campeão com 1...e5 e levando o jogo à variante dos quatro cavalos. Talvez Carlsen chegou a ficar algo melhor, mas So defendeu bem e com sucessivas simplificações alcançou a paridade.
Anand obteve uma brilhante vitória ante Shakriyar Mamedyarov, com direito a mais uma entrega de qualidade, como na partida de ontem. Esta vez, o mestre indiano sacrificou a torre por um bispo e um peão, obtendo ademais um peão passado no centro que se potenciou quando os restantes peões centrais o acompanharam na iniciativa. O jogo tinha começado em uma variante relativamente tranquila da abertura dos Quatro Cavalos, mas já na primeira dúzia de lances a posição era aguda e muito interessante. Com este resultado, Anand ultrapasso novamente os 2800 pontos de elo, ficando atualmente na posição #2
Vladimir Kramnik cortou a série de derrotas (três, algo inédito na sua carreira) vencendo a Maxime Vachier-Lagrave. O ex-campeão mundial também realizou uma entrega de qualidade, obtendo um centro tão forte que o mestre francês se viu obrigado a devolver a qualidade, obtendo o russo um final melhor que impus com a sua habitual boa técnica.
Michael Adams, o lanterna do torneio até esta rodada, teve também uma atuação brilhante ante Anish Giri. Depois de uma Siciliana Najdorf com g3 e tratamento tranquilo, o mestre inglês se lançou ai ataque, ganhando espaço primeiro e depois enfraquecendo as defesas do rei preto, arrematando com uma elegante combinação. Depois desta partida Adams segue na última colocação, mas não está sozinho nela.
A restante partida, Rauf Mamedov contra Fabiano Caruana, foi uma luta teórica na variante Steiner da Ruy Lopez, não sem aventuras e que finalizou com um xeque perpétuo de dama do mestre italiano.

As posições: 1. M. Carlsen 6; 2. V. Anand 5½; 3-4. F. Caruana, W. So 4½; 5-7. R. Mamedov,  V. Kramnik, S. Mamedyarov 3½; 8-10. A. Giri, M. Vachier-Lagrave, M. Adams 3


Amanhã, pela última rodada, Carlsen leva as brancas ante Mamedov, enquanto Anand vai de pretas ante Caruana. 

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Carlsen vence a Kramnik e se afasta na liderança

O campeão mundial observa o jogo entre Caruana e So
O campeão mundial Magnus Carlsen é cômodo líder (um ponto de diferência sobre o segundo, Viswanathan Anand) do memorial Gashimov a falta de duas rodadas.
O mestre norueguês derrotou com as peças brancas ao ex-campeão mundial Vladimir Kramnik em uma Ruy Lopez Berlinense na linha 4.d3, depois de obter vantagem na abertura uma vez que o ex-campeão mundial arriscou algo com as peças pretas. Depois de uma série de simplificações, o tabuleiro deixou uma posição com dama para o campeão por torre e bispo para Kramnik, onde as brancas tinham ainda mais um peão. As vezes o lado da torre e bispo logra criar uma fortaleza, mas este não era o caso: as brancas tinham maioria de peões na ala de dama e facilidades para invadir na ala de rei, o que acabou decidindo o jogo. Para Kramnik foi a terceira derrota consecutiva, um fato difícil de achar na sua brilhante carreira.
O até então segundo nas posições, Wesley So, sofreu uma derrota ante Fabiano Caruana, que segue em pleno processo de recuperação na prova. A abertura –uma Nimzoindia com visos de Índia de Dama- foi equilibrada, porém no momento certo So errou na disposição das suas forças e permitiu a Caruana se fazer com a iniciativa.
Foi a vez do ex-campeão mundial Viswanathan Anand, que se posicionava terceiro, de ganhar o segundo lugar, mas para isso teve que vencer a Michael Adams em uma complexa partida de corte posicional iniciada desde a abertura Inglesa, onde o indiano sacrificou qualidade a cambio de uma posição prometedora que impus com a sua habitual técnica.
 As outras duas partidas finalizaram em empate: o duelo entre os representantes locais Shakriyar Mamedyarov e Rauf Mamedov e Maxime Vachier-Lagrave com Anish Giri, na abertura de moda –o Gambito de Dama variante Ragozin-.

Posições

1. M. Carlsen 5½; 2. V. Anand 4½; 3-4. F. Caruana, W. So 4; 5. S. Mamedyarov 3½; 6-8. A. Giri, M. Vachier-Lagrave, R. Mamedov 3; 9.  V. Kramnik 2½; 10. M. Adams 2 

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Carlsen segue liderando o memorial Gashimov


A sexta rodada do memorial Gashimov entregou quatro empates relativamente tranquilos e uma vitória sensacional de Fabiano Caruana sobre Vladimir Kramnik (ambos na foto).
O mestre italiano, levando as peças pretas, obteve uma posição algo inferior depois da luta de manobras da abertura -um ataque Torre se opondo ao esquema índio das pretas-, mas Kramnik se extra-limitou e realizou um plano com ruptura no centro que acabou permitindo uma grande atividade às peças pretas. Caruana é conhecido pelo seu domínio técnico e estratégico, mas nesta partida ele explorou de forma tática a imprecisão de seu adversário e acabou a tarefa com um bonito ataque de mate que levou ao rei do ex-campeão mundial à quarta fileira. Não um sucesso de todos os dias...
O campeão mundial Magnus Carlsen mantem a liderança da prova após empatar de pretas com Anish Giri, utilizando a variante Ragozin do Gambito de Dama -uma das preferidas atuais na elite, e onde ainda há muita teoria para descobrir-.
Interessante foi a partida entre So e Mamedyarov, disputada na variante Central da Eslava clássica, com um cenário de roques cruzados que teve vinte e dois lances teóricos. O representante estadunidense variou com 23.Td4, mas logo a posição se simplificou e derivou na divisão do ponto.
Adams - Vachier-Lagrave e Mamedov-Anand foram os outros empates da jornada.

Posições
1. M. Carlsen 4½; 2. W. So 4; 3. V. Anand 3½; 4-5. S. Mamedyarov, F. Caruana 3; 6-9. A. Giri, V. Kramnik, M. Vachier-La-grave, R. Mamedov 2½; 10. M. Adams 2

Amanhã, pela sétima rodada, temos o clássico entre Carlsen e Kramnik, ademais da interessante partida entre Caruana e So, com o primeiro tentando mostrar que a sua recuperação não foi um acaso e o segundo tentando se manter perto da cume.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Cuba e Rússia surpreendem no Mundial por equipes

Boris Gelfand, primeiro tabuleiro de Israel, que lidera junto com Cuba
O Campeonato Mundial por Equipes tem lugar na cidade armênia de Tsaghkazdor, entre os dias 18 e 29 deste mês. São dez times se enfrentando pelo formato round robin (todos contra todos), em prova que a priori parece muito equilibrada. Depois de três rodadas, as surpresas são a boa tarefa de Cuba, que está liderando junto a Israel, e a má atuação da favorita Rússia, que perdeu dois duelos e empatou um.

Posições
1-2. Israel (8), Cuba (7) 5; 3-6. Ucrânia (8), Hungria (6½), China (6½) 4; 6. Índia (5½) 3; 7. Armênia (5½) 2; 8-10. Rússia (5), Estados Unidos (5), Egito (3) 1

Hoje, Cuba derrotou a Armênia pela mínima diferencia, com vitórias de Lázaro Bruzon e Yuniesky Quezada e o empate de leinier Dominguez ante Levon Aronian. Segue a partida de Quezada:

Quesada,Y (2637) - Akopian,V (2660) 
Tsaghkadzor ARM (3.3), 21.04.2015
1.e4 c5 2.Cf3 e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 a6 5.c4 Cf6 6.Cc3 Dc7 7.a3 b6 8.Be3 Bb7 9.f3 d6 10.Be2 Cbd7 11.0–0 Be7 12.Dd2 0–0 13.Tfc1 Tac8 14.a4 a5 15.Cdb5 Db8 16.Td1 Tcd8 17.Cxd6 Ce5 18.Ccb5 Bc6 19.Dc3 Txd6 20.Cxd6 Bxd6 21.Txd6 Dxd6 22.c5 Db8 23.cxb6 Ba8 24.Dxa5 Bxe4 25.fxe4 Ceg4 26.e5 Cxe3 27.exf6 Dd6 28.Tc1 gxf6 29.b7 1–0

Carlsen lidera isolado em Shamkir


Magnus Carlsen voltou à liderança no memorial Gashimov, esta vez em forma exclusiva. Para isso, o campeão mundial teve que vencer ao grande mestre francês Maxime Vachier-Lagrave e ter uma boa nova de um dos tabuleiros vizinhos, onde o até então líder da prova, Wesley So, foi derrotado pelo ex-campeão mundial Viswanathan Anand.
Carlsen, com as brancas, se encontrou logo em uma posição fora de toda teoria, e o tratamento da nova posição de Vachier-Lagrave não foi adequado. O campeão mundial obteve uma clara vantagem desde o início, que explorou com a sua habitual técnica e um elegante arremate onde permite a promoção de um peão adversário –a cambio de dar mate-.
Anand também realizou um bonito trabalho posicional em uma Ruy Lopez com d3 cedo –as linhas com d3 estão se convertendo virtualmente nas principais da prática moderna. O indiano está agora na terceira colocação, explorando a queda de Vladimir Kramnik, que foi derrotado por Shakriyar Mamedyarov. O mestre azeri empregou um agressivo tratamento para combater a semi-Tarrasch do ex-campeão mundial.
Os outros dois jogos finalizaram em empates: Fabiano Caruana ante Anish Giri e Michael Adams ante Rauf Mamedov.

Posições
1.       M. Carlsen 4; 2. W. So 3½; 3. V. Anand 3; 4-5. V. Kramnik, S. Mamedyarov 2½; 6-9. A. Giri, M. Vachier-Lagrave, F. Ca-ruana, R. Mamedov 2; 10. M. Adams 1½

Amanhã é o dia livre da prova, que prossegue na quinta-feira com a realização da quinta rodada.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Wesley So, líder exclusivo no memorial Gashimov


A quarta rodada do memorial Gashimov foi uma das mais interessantes e lutadas, apesar da alta proporção de empates. Justamente o único enxadrista que logrou a vitória é agora líder isolado do torneio, o filipino (agora jogando sob bandeira estadunidense) Wesley So, que derrotou com as peças brancas ao local Rauf Mamedov utilizando a popular variante Maroczy contra o Dragão Acelerado do seu adversário. O Maroczy funcionou como corresponde e as brancas obtiveram uma perigosa maioria de peões na ala de dama que finalmente foi fator decisivo na vitória.
O campeão mundial Magnus Carlsen ficou agora a meio ponto de So. A sua partida ante Adams (com o mestre inglês levando as brancas) foi uma original Ruy Lopez na variante 3...g6, com interessantes manobras estratégicas.
Também muito interessante foi o clássico entre Vladimir Kramnik e Viswanathan Anand, realizado em uma aguda variante da Eslava com g3, com as brancas sacrificando o peão de c4 (e depois disso alguma peça). O empate foi justo pelo espetáculo brindado pelos dois ex-campeões mundiais.
As restantes aprtidas também finalizaram em empates, depois de muita luta: Anish Giri ante Shakriyar Mamedyarov e Maxime Vachier-Lagrave ante Fabiano Caruana.

Posições
1. W. So 3½; 2. M. Carlsen 3; 3. V. Kramnik 2½; 4-5. V. Anand, M. Vachier-Lagrave 2; 6-9. R. Mamedov, A. Giri, S. Mamedyarov, F. Caruana 1½; 10. M. Adams 1

domingo, 19 de abril de 2015


Dois líderes após a realização da terceira rodada no memorial Gashimov em Shamkir, Azerbaijão: eles são Magnus Carlsen e Wesley So (foto).
O campeão mundial utilizou o histórico sistema Stonewall da Holandesa para vencer de pretas ao italiano Fabiano Caruana. A partida foi muito interessante e complexa, com um final com duas torres e peça menor por lado que devia ter finalizado com a divisão do ponto, porém  aparentemente Caruana o subestimou, derivando a posição a um final de torres algo inferior, mas extremamente difícil de jogar. Antes, este tipo de posições podiam se ajustar à famosa frase de Tarrasch: “todos os finais de torre são empate”, mas os novos ritmos de jogo –é comum chegar ao final com poucos minutos no relógio- podem estar obrigando a um câmbio na frase: “nem todos os finais de torre são empate”. Assim foi neste caso.
Para Carlsen, foi a oportunidade de quebrar uma má costume que recentemente tinha-o assombrado: quatro derrotas consecutivas na rodada 3, desde a última olimpíada.
O mais novo representante estadunidense (oriundo de Filipinas), Wesley So, realizou uma bela tarefa posicional na sua partida ante Michael Adams no gambito de Dama declinado, variante das trocas. Ante um esquema original porém talvez não de tudo correto do mestre inglês, So primeiro ganhou par de bispos para logo explorar suas peças mais ativas e se fazer com o ponto.
Até ontem, Vladimir Kramnik compartilhava com os mencionados So e Carlsen a primeira colocação, mas hoje não passou do empate ante Rauf Mamedov após uma partida sem muitos acontecimentos na sua prezada Ruy Lopez Berlinense.
As outras duas partidas da rodada foram empates: uma animada batalha na caro Kann do Avanço entre o ex-campeão mundial Viswanathan Anand e Anish Giri, e uma Grünfeld de interesse teórico entre Shakriyar Mamedyarov e Maxime Vachier-Lagrave.

Posições
1-2. M. Carlsen, W. So 2½; 3. V. Kramnik 2; 4-6. V. Anand, R. Mamedov, M. Vachier-Lagrave 1½; 7-9. A. Giri, S. Mamedyarov, F. Caruana 1; 10. M. Adams ½


Amanhã, pela quarta rodada da prova, Carlsen leva as pretas (repete cor) ante Adams, enquanto So tentará quebrar a série de empates de Mamedov com as peças brancas. A partida do dia pode ser o clássico entre os ex-campeões mundiais Kramnik e Anand.

sábado, 18 de abril de 2015


O campeão mundial Magnus Carlsen alcançou a liderança do memorial Gashimov após a segunda rodada do torneio que se celebra em Shamkir, Azerbaijão. O norueguês venceu a Shakriyar Mamedyarov após um tratamento impreciso do segundo em uma Eslava Schlechter.
Carlsen compartilha o primeiro lugar com Vladimir Kramnik e Wesley So, que depois de vencer seus jogos pela primeira rodada empataram entre se.
Com meio ponto a menos que os líderes se encontra o ex-campeão mundial Viswanathan Anand, que assinou um interessante jogo em um Gambito de Dama variante Ragozin, empatando de pretas ante Maxime Vachier-Lagrave.
Os outros dois enfrentamentos acabaram em empates: Anish Giri ante Rauf Mamedov e Michael Adams ante Fabiano Caruana.

Posições
1-3. W. So, V. Kramnik, M. Carlsen 1½; 4-7. V. Anand, M. Vachier-Lagrave, R. Mamedov, F. Caruana 1; 8-10. A. Giri, S. Mamedyarov, M. Adams ½

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Bom começo de Kramnik e So no memorial Gashimov


O memorial Gashimov, realizado desde hoje na cidade azeri de Shamkir, teve um espetacular começo, com partidas lutadas e muito interessantes. Das cinco, duas tiveram definições: o ex-campeão mundial Vladimir Kramnik venceu de pretas ao inglês Michael Adams, exibindo uma excelente técnica em final proveniente da sua favorita abertura Catalã. E Wesley So, depois da sua polêmica participação na final estadunidense, teve a melhor parte no duelo ante Anish Giri, após um jogo muito complexo em uma pouco usual linha da Inglesa.
Dentre os empates, sobressai o assinado entre os atuais vice-campeão e campeão mundial, Viswanathan Anand e Magnus Carlsen respetivamente. O norueguês surpreendeu com a sua escolha de linha da Ruy Lopez (o gambito Marshall), introduz uma novidade que fez pensar Anand por cerca de meia hora e protagonizou uma partida lutada que acabou finalmente com a divisão do ponto. Também foram empates as partidas entre Shakriyar Mamedyarov e Fabiano Caruana e Rauf Mamedov e Maxime Vachier-Lagrave.
A segunda rodada, amanhã, traz o enfrentamento entre os líderes Kramnik e So, enquanto Carlsen leva as brancas ante Mamedyarov.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Solak vence em Dubai por melhor desempate que outros cinco grandes mestres


A 17a edição do aberto de Dubai teve lugar na capital dos Emiratos Árabes, entre os dias 6 e 15 de abril, pelo sistema suíço em 9 rodadas.David Howell, Vladimir Fedoseev e Igor Kovalenko eram os principais pré-classificados nesta prova que também teve ao grande mestre brasileiro Alexandr Fier entre os competidores. O campeão foi o representante turco Dragan Solak (foto, na esquerda), com os mesmos pontos que outros cinco competidores, mas o melhor sistema desempate! Fier teve uma boa recuperação e acabou compartilhando a sétima colocação. A prova será lembrada também pela expulsão do grande mestre Nigalidze, por fazer trampa: tinha escondido um smartphone no banheiro, o qual consultava durante as partidas.

Principais posições
1-6. D. Solak, D. Howell, V. Fedoseev, A. Istratescu, I. Ivanisevic, E. Safarli 7; 7-12. A. Shabalov, N. Grandelius, Z. Mammadov, A. Fier , A. Shimanov, A. Rakh-manov 6½; 13-30. G. Guseinov, I. Kova-lenko, Y. Solodovnichenko, S. Zhigalko, S.  Das, T. Petrosian, M. Bartel, A. Ipatov, G. Papp, E. Iturrizaga, T. Banusz, S. Volkov, Y.  Kuzubov, J. Ehlvest, P. Prohaszka, M. Perunovic , T. Harutyunian, A. Kovchan 6;  etc. (155 participantes)

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Incrível desenlace em partida pelo campeonato estadunidense


No tabuleiro (campeonato nacional dos Estados Unidos, Saint Louis, 10.04.2015 -hoje-, tinham sido feitos os lances 1.d4 e6 2.c4 d5 3.Cc3 c5 4.cxd5 exd5 5.Cf3 Cc6 6.dxc5, porém isto foi tudo... quando se esperava uma dura batalha entre Wesley So (brancas, na foto) e Varuzhan Akobian...
... não, não finalizou em um empate de grandes mestres.
A verdade é que as brancas perderam!
Por toque de celular? Também não!
O motivo da derrota de So é ter anotado na sua planilha coisas que não tinham a ver com o desenvolvimento da partida (o ex representante filipino explicou que eram palavras motivacionais), e como tinha sido advertido já pelo árbitro, a autoridade da prova finalmente decretou a sua derrota, uma vez que seu adversário explicitou o que acontecia.
Uma das mais esquisitas definições de todos os tempos!
Que opina o leitor?


quinta-feira, 9 de abril de 2015

Evandro Barbosa vence no aberto de Mar del Plata


O mestre internacional Evandro Barbosa foi o vencedor do tradicional torneio aberto de Semana Santa realizado na cidade balnearia argentina, com 8 pontos sobre 9 possíveis. Outros mestres brasileiros tiveram boas colocações: Renato Quintiliano compartilhou a terceira colocação, enquanto Roberto Molina e Bernardo Sztokbant compartilharam o oitavo lugar.

Principais posições
1. E. Barbosa 8; 2. J. Cori 7½; 3-7. S. Iermito, R. Quintiliano, I. Morovic, A. Rodriguez, A. Lingua 7; 8-14. R. Molina, H. Perelman, S. Fell, D. Pacheco, N. Mayorga, B. Sztokbant, M. Perez Gormaz 6½; etc. (185 participantes)

quarta-feira, 8 de abril de 2015

O Ogro de Bakú volta aos tabuleiros


O ex campeão mundial Garri Kasparov enfrentará em match de partidas rápidas e blitz ao grande mestre inglês Nigel Short, durante os próximos dias 25 e 26 de abril. A cita se realizará no Saint Louis Chess Club, atual sede do nacional estadunidense. Kasparov e Short se enfrentaram, no ano 1993, com o título mundial em jogo, em duelo lembrado por ter marcado o afastamento de ambos os enxadristas da FIDE -e o começo do cisma que acabou nesses anos com dois campeões mundiais ao mesmo tempo-

domingo, 5 de abril de 2015

Mariya Muzychuk é a nova campeã mundial


Realizado o Campeonato Mundial feminino pelo sistema de eliminatórias, com 64 participantes encabeçadas por Humpy Koneru, Ju Wenjun e Anna Muzychuk. Na final se enfrentaram a ucraniana Mariya Muzychuk com a russa Natalija Pogonina, vencendo a primeira por 2½-1½.
Na quarta -última da série de partidas em ritmo clássico- Muzychuk levou as peças brancas, e um empate lhe alcançaria para obter o título. A ucraniana escolheu uma variante muito quieta da abertura dos Quatro Cavalos, respondendo a russa com uma variante pouco ortodoxa na procura de complicações. A primeira jogadora ficou algo melhor já na abertura, e o resto da partida se desenvolveu entre essa avaliação e o equilíbrio, que a condutora das pretas devia evitar se translade ao resultado. Por isso foi evitando linhas com simplificações, porém nesse cenário as melhores chances foram sempre para as brancas. Muzychuk explorou a sua iniciativa para realizar uma passagem a um final com torre e três peões contra torre, cavalo e peão, onde seus peões -livres na ala de dama- ofereciam uma compensação adequada, assegurando a divisão do ponto. O resultado final, empate, consagrou a Mariya Muzychik co-mo campeã mundial.
A nova campeã é a irmã mais nova da grande mestre Anna Muzychuk, que nesta prova chegou até quartos de final, onde foi eliminada por Pia Cramling. Nascida o 21 de setembro de 1992, Mariya possui também o título de mestre internacional absoluto, assim como o de grande mestre feminina. Pelas regras da FIDE, ela deve defender seu título ainda este ano, em match ante a ex-campeã mundial Hou Yifan.

sábado, 4 de abril de 2015

Muzychuk se mantem na liderança após empate na terceira partida


A terceira partida da série acabou em empate após um trâmite de muita luta no território da Semieslava. As brancas, conduzidas por Pogonina, voltaram a aplicar o mesmo esquema anti-Merano que na primeira partida do match, e obtiveram iniciativa em posição com peça por três peões. Muzychuk realizou um bom contrajogo na ala de dama para equilibrar as chances e depois, explorando o fato das brancas não ativarem suas peças, ganhar as melhores chances mediante a utilização da sua maioria de peões na ala de dama. No momento certo, Pogonina realizou uma boa decisão prática, trocando peças e permitindo a passagem a um final de torres inferior, com material a menos, porém defensável. A divisão do ponto foi a consequência lógica da posição, embora as pretas tivessem chances de criar mais complicações. A enxadrista russa, que leva hoje as peças pretas, necessita de forma imperiosa uma vitória para equilibrar o placar na última partida da série.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Muzychuk vence na segunda partida


A segunda partida da final do Campeonato Mundial feminino que se celebra em Sochi, Rússia, entregou uma vitória para Mariya Muzychuk, que da assim um passo importante na luta pelo título mundial. 
A ucraniana surpreendeu com a sua escolha de abertura (Ruy Lopez, em vez da costumeira Escocesa) e Natalija Pogonina, para não ser menos, utilizou a variante Breyer, que nunca antes tinha utilizado. A condutora das pretas equilibrou com facilidade e chegou a ter vantagem devido à fraquezas nos qua-dros negros da primeira jogadora, porém no momento certo não concretizou e permitiu que as brancas recuperem a posição mediante uma ruptura em f4. Na luta posterior, com Muzychuk mostrando uma estrutura mais fraca, compensada pela atividade das suas peças, este último fator acabo sendo o mais importante. 
A falta de duas partidas, Muzychuk lidera por 1,5 - 0,5. Hoja é a terceira partida do match (penultima) com Pogonina levando as peças brancas

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Sochi: um round de estudo


A primeira partida da final do campeonato mundial feminino, celebrada em Sochi entre Natalija Pogonina (Rússia) e Mariya Muzychuk (Ucrânia) acabou na divisão do ponto, com a russa levando as peças brancas. 
O jogo começou com uma Semieslava, variante anti-Merano, seguindo por uma das linhas mais populares, até o lance dez, onde Muzychuk se desviou da mais usual 10...Bb7. A partida continuou dentro da teoria até o lance 16, onde a ucraniana se desviou dos antecedentes com 16...Cd7 (Arsovic - Kosic, Iugoslávia ch 2002 e posteriores) introduzindo a nova ideia 16...Be6, sem temer os possíveis peões dobrados em f6. Pogonina não aceitou o convite e no seu lugar manteve os bispos. O jogo foi-se simplificando, com as brancas obtendo alguma iniciativa entre os lances 25 e 28, porém depois disso a posição se equilibrou e tudo finalizou em um final inofensivo com dama e bispo por lado. Como dizem no box, um round de estudo.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Pogonina se recupera e alcança o desempate ante Cramling


As duas semifinais vão ao desempate. Natalija Pogonina (foto) se recuperou da derrota do dia prévio e venceu em boa partida a Pia Cramling, levando as peças brancas em uma Siciliana O´Kelly. A sueca evidentemente utilizou essa variante -não muito popular na prática- com a intenção final de transpor à sua favorita Paulsen, mas a russa cortou de pleno essa tentativa ao jogar 3.Be2!? e levar o jogo a rápidas complicações táticas. As peças de Pogonina acabaram sendo as mais ativas e no final realizou um bonito arremate (38.Cd7+!). No outro duelo, Harika Dronavalli e Mariya Muzychuk empataram novamente após lutada partida que começou com a linha b3 da Holandesa, tratada originalmente pelas pretas (5...c5!?). As brancas obtiveram um final de torre e quatro peões contra torre e três, mas todos os peões estavam no mesmo setor e não se quebrou o equilíbrio. Com o placar igualado, ambos os enfrentamentos vão ao desempate de partidas rápidas (e se preciso, blitz e armageddon), hoje.

domingo, 29 de março de 2015

Pia Cramling começa ganhando na semifinal do mundial feminino


Sochi: as semifinais começaram com duas partidas interessantes e muito lutadas. A sueca Pia Cramling (foto) deu um passo adiante importante ao vencer levando as peças brancas a Natalija Pogonina. Cramling obteve uma pequena vantagem no seu tratamento do Gambito de Dama ante a variante Lasker, que foi administrando até chegar a um final de uma torre por lado. Com mais espaço, procurou rupturas que permitiram ativar o rei, o que lhe deu boas chances práticas. A criação de peões livres foi o fator decisivo da concretização, junto a uma boa técnica. Na outra partida, e quando parecia que Mariya Muzychuk podia obter as melhores chances com as peças brancas, uma oportuna reação de Harika Dronavalli concedeu contrajogo que foi suficiente para a divisão do ponto. O jogo tinha começado com uma versão pouco usual da Escocesa (a linha 4...Bb4+)

sábado, 28 de março de 2015

Norma de GM para Roberto Molina; título de MI para Quintiliano!


Entre os dias 19 e 25 de março foi realizada a sexta edição da Copa Latina (empreendimento patrocinado pelo presidente da FIDE, Kirsan Ilyumzhinov) na capital argentina. 
A prova finalizou com a vitória do peruano Jorge Cori, porém o destaque é o excelente resultado dos enxadristas brasileiros Roberto Molina (segunda norma de GM) e Renato Quintiliano Pinto (terceira norma de MI, ambos na foto). Parabéns!

Principais posições
1-2. J. Cori, A. Bachmann 7½; 3-7. A. Pichot , R. Molina, C. Rios, I. Morovic, R. Felgaer 7; 8-17. E. Real De Azua, A. Obregon, D. Flores, M. Villanueva, J. Gemy, D. Valerga, K. Mekhitarian, F. Perez Ponsa, A. Rodriguez, E. Barbosa 6½; etc. (172 participantes)

Surpresas em Sochi


Dia de surpresas (relativas) em Sochi. O desempate, em todos os casos, favoreceu à enxadrista com menos elo. Mariya Muzychuk e Natalija Pogonina (foto) venceram na série de partidas rápidas a Humpy Koneru (primeira pré-classificada da prova) e Zhao Xue respetivamente; no match mais longo, e na fase de jogos blitz, a sueca Pia Cramling eliminou a outra das favoritas, Anna Muzychuk. O duelo foi dramático, com um empate na série de partidas rápidas incluindo uma vitória para cada uma das enxadristas. A experimentada Cramling está sendo uma das gratas revelações da prova aos 52 anos de idade. Desde amanhã, Mariya Muzychuk enfrenta em uma das semifinais a Harika Dronavalli -classificada o dia prévio na fase clássica-, enquanto a outra terá o enfrentamento entre Pia Cramling e Natalija Pogonina.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Harika Dronavalli classifica à semifinais; outros duelos vão ao desempate


Humpy Koneru e Natalija Pogonina se recuperaram da sua derrota na primeira partida, equilibrando o placar ante Mariya Muzychuk e Zhao Xue respetivamente e agora sua sorte se conhecera nas partidas rápidas de desempate. Também o duelo entre Anna Muzychuk e Pia Cramling vai ao desempate, após dois empates na série clássica. Já Harika Dronavalli (foto) é a única que assegurou a sua passagem às semifinais da prova, ao vencer levando as peças brancas a Meri Arabidze. A indiana abriu o jogo com o Ataque Torre, derivando as instâncias em um final teórico de torre e peão torre para ela contra torre de Arabidze que, jogado em forma correta, devia finalizar em empate. Mas, provavelmente devido a falta de tempo, imprecisões de ambas as partes aconteceram, sendo as cometidas pela enxadrista russa mais severas -a defesa é sempre mais difícil-. De qualquer forma, um final muito interessante que ajuda a entender este tipo de posições e os amadores podem aprender muito olhando ele. O jogo foi comentado na edição de Xadrez Diário para assinantes correspondente ao dia 28.03

quinta-feira, 26 de março de 2015

Brilhante vitória de Mariya Muzychuk


Mariya Muzychuk (foto) e Zhao Xue começaram a quarta rodada do Mundial feminino que se celebra na cidade russa de Sochi com vitória. A ucraniana -a menor das irmãs Muzychuk- venceu de forma brilhante a Humpy Koneru, cor-tando assim uma racha de seis vitórias seguidas da indiana, que agora está obrigada a ganhar o próximo jogo para continuar na competição. Já a chinesa venceu de pretas a Natalija Pogonina em um final técnico de torre e bispo de cor diferente por lado. Os outros dois jogos finalizaram empatados: com alguma luta no caso de Pia Cramling - Anna Muzy-chuk, e em poucos lances a partida entre Meri Arabidze e Harika Dronavalli. A indiana, que leva brancas na segunda partida, deve procurar a vitória dada a diferencia de elo. A russa, entretanto, parece estar seguindo a estratégia de Grischuk no torneio de Kazan 2010: levar o jogo ao desempate de rápidas e blitz, onde se sente mais confiante.

Muzychuk,Mariya (2526)
Koneru,Humpy (2581)
Sochi RUS (4.1), 26.03.2015
(Resumo extraído dos comentários do MI Luis Rodi para Xadrez Diário)

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.d4 exd4 4.Cxd4 Bc5 5.Be3 Df6 6.c3 Cge7 

Uma tabiya da Escocesa. Agora 6.Bc4 é por longe a linha principal, porém o lance de Muzychuk é a segunda opção, e apresenta estatísticas algo melhores

7.g3!? d5 8.Bg2 dxe4 9.0–0 

A imediata 9.Cd2 é uma importante alternativa. Um exemplo é 9...Bb6 10.Cxe4 Dg6 11.0–0 0–0 12.Cc5!? Cxd4 13.Bxd4 Cc6 14.Te1 Cxd4 15.Dxd4 c6 16.a4 a5 17.De5 h6 18.Tad1 Bg4 19.Td2 Bxc5 20.Dxc5 Tfe8= Smeets - Kramnik, Holanda tt 2007

9...0–0 10.Cd2 Bb6 11.Te1!? 

11.Cxe4 é a mais usual aqui, e a escolha de uma das autoridades nesta abertura, o grande mestre Rublevsky. No entanto, as pretas têm estatísticas favoráveis com este lance, enquanto a situação é inversa no caso do lance da ucraniana. Neste nível, é bom as vezes fugir da teoria mais trilhada, na tentativa de surpreender ao adversário

11...Cxd4 12.Cxe4 Df5N 

12...Dg6 13.Bxd4 Cc6 (Ivanchuk - Leko, Morelia 2007)

13.Bxd4 Cc6 14.Bxb6 axb6 15.f4 Be6

As peças ativas das pretas e a coluna a são compensação adequada pelo ligeiro deterioro estrutural

16.b3 h6 17.h3 Ta3! 18.Dd2 Da5 19.b4 Da4 

As pretas estão vencendo a batalha na ala de dama. para não perder a guerra, as brancas devem realizar alguma reação no setor oposto, utilizando a sua vantagem de espaço

20.g4! Td8 21.Df2 Txa2 22.Txa2 Bxa2 23.b5 Ca7!? 

Algo ambiciosa. A alternativa é dirigir esta peça ao centro, de forma de poder, no caso preciso, colaborar na defesa do seu rei; 23...Ce7! 

24.g5 hxg5 25.Cxg5 

Com a cristalina ameaça Dh4 e outra mais oculta que as pretas perdem

25...f6? 

25...Td1 era necessária, tirando as possibilidades de ataque direto às brancas. A posição é equilibrada no caso de 26.Dh4 Txe1+ 27.Dxe1 



26.Dd2! 

Explorando o conhecido tema tático da fraqueza da oitava fileira. As pretas, de forma surpreendente, estão sem defesa

26...Tf8 27.Bd5+ Bxd5 28.Dxd5+ Rh8 29.Df7! 


Um brilhante arremate

1–0



quarta-feira, 25 de março de 2015

Natalija Pogonina, Meri Arabidze e Harika Dronavalli classificaram no desempate


Natalija Pogonina, Meri Arabidze e Harika Dronavalli classificaram à quarta fase do torneio após superar suas adversárias no desempate de partidas rápidas -nesta oportunidade não se necessitaram jogos em ritmo blitz-. Pogonina mudou sobre um antecedente do match mais recente entre Carlsen e Anand e obteve uma importante vitória de pretas sobre Marie Sebag (foto), vencendo também com as peças brancas. Arabidze venceu de pretas a Viktorija Cmilyte em partida que começou a se volcar no seu favor nas manobras de meio jogo. Na revanche, Cmilyte teve par de bispos e peão a mais mas não pudo impor a vantagem e acabou empa-tando. Por último, Harika Dronavalli não obteve muito da sua posição de brancas na primeira partida, porém no final de torre que surge uma série de graves erros de Alexandra Kosteniuk -começando com 35...Ta3?- conduz às pretas á derrota. Na segunda aprtida Kosteniuk estava obrigada a vencer, mas não somente não tirou vantagem da Francesa Tarrasch acontecida, mas ainda teve que lutar um meio-jogo inferior. Depois de algumas aventuras a partida chegou a uma posição de empate morto com torre e peão cavalo para Kosteniuk contra torre.
Os duelos dos quartos de final: Humpy Koneru - Mariya Muzychuk; Meri Arabidze - Harika Dronavalli; Natalija Pogonina - Zhao Xue e Pia Cramling - Anna Muzychuk.

terça-feira, 24 de março de 2015

Sexta vitória consecutiva de Koneru


Mundial feminino: emocionante jornada a da segunda partida da terceira rodada, com a ex-campeã mundial Alexandra Kosteniuk se recuperando da derrota prévia ante Harika Dronavalli -em ambos os casos as vitórias foram levando as peças pretas-, Pia Cramling classificando após empatar ante Gunina em jogo onde teve a melhor parte, Humpy Koneru (foto) obtendo a sua sexta vitória consecutiva e Mariya Muzychuk eliminando à ex-campeã mundial Antoaneta Stefanova. A sua irmã Anna confirmou o favoritismo vencendo a Lela Javakhishvili e também passa à quarta rodada, assim como a chinesa Zhao Xue, a quem alcançou o empate ante Khotenashvili. Natalija Pogonina equilibrou o placar ao vencer a Marie Sebag e, como Kosteniuk, vai ao desempate. A estes dois se soma o do match entre Cmilyte e Arabidze, que teve suas dois partidas empatadas. 
Alguns dos duelos de quartos de final já se conhecem: a principal favorita, Humpy Koneru, entrenta à ascendente Mariya Muzychuk, enquanto Anna Muzychuk terá na frente à sueca Pia Cramling. Para os otros encontros, há que esperar o desempate