quinta-feira, 31 de maio de 2012

Anand campeão!!


O presidente da FIDE, Kirsan Ilyumzhinov, entregou hoje a tradicional coroa de lauréis ao campeão mundial, que agora tem dois anos até o próximo desafio.
Anand ganhou merecidamente o match, no mais seja por aquele velho ditado de «gols são amores» que vale para o futebol mas também para o xadrez. Quem venceu os nervos e realizou até o mesmo final os lances que deram a vitória foi -na maior proporção- o campeão mundial. Obviamente que Gelfand foi um digno e grande adversário, e que na maioria dos casos não mostrou-se inferior ao campeão. Porém alguém tem que ser o ganhador neste tipo de enfrentamentos e, como expressou Kramnik, este vez a sorte favoreceu Anand.
A grande abundância de empates -na fase de jogos pensados- levou a muitas críticas, que abarcaram o formato, o estilo de ambos os mestres e até o mesmo nível deles. Desde o ponto de vista técnico, o match não foi espetacular -por exemplo, o Anand - Topalov do ano 2010 foi muito mais interessante- porém também não foi ruim: salvo nos jogos rápidos (onde os erros são lugar comúm) não existiram erros grossos. Não teve dramatismo nem grandes emoções (salvo nos jogos definidos ou no desempate de rápidas) porém nesto também teve a ver a estrategia de menor risco possível utilizada pelos dos contendentes. E aqui não tem valor as comparações com outros encontros como o recente entre Aronian e Kramnik, que se desenvolveram com outras condições e pressões, incluso económicas. Há que entender que com tanto em jogo -esportivo, económico e prestigio-, uma política mais conservativa era possível. Infelizmente para o público que desejava ver partidas mais abertas e dramáticas. No entanto, somente na India, 160 milhões de pessoas seguiram ao vivo os jogos do tie-break. Um dado que fala sozinho pelo interesse que o velho jogo ciência ainda desperta.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

d4: novo empate e Anand mantém o título!!

 

O campeão mundial de xadrez, grande mestre Viswanathan Anand, reteve hoje o título após vencer no desempate de partidas rápidas ao seu colega Boris Gelfand. O placar do tie-break foi de 2,5x1,5 (uma vitória e três empates) após ter igualado o match de doze jogos pensados.
Decidido a evitar a variante Rossolimo (1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5) Gelfand empregou, por primeira vez neste match, a variante Najdorf que lhe sirvera adequadamente no torneio de candidatos em Kazan. Mas Anand, disposto a evitar uma luta complexa nas linhas de moda (e com isso a preparação do adversário) escolheu a variante Moscou (3.Bb5+), uma parente direta da Rossolimo.
O desafiante, que precisava ganhar para equilibrar o placar, não podia se declarar insatisfeito pelo resultado da abertura: ficou com torres e par de bispos contra torres, bispo e cavalo do campeão. O grande mestre L´Ami sinalou que uma disposição semelhante permiteu uma vitória clássica ao primeiro campeão mundial. Wilhelm Steinitz. Porém nessa partida contra English (celebrada em Londres 1883), o centro estava completamente aberto, e o par de bispos em consequência era mais ativo. A posição do jogo Anand - Gelfand mostrava somente uma coluna aberta, pela qual rapidamente Anand dobrou torres forçando a troca de uma delas.
Ainda assim Gelfand realizou o jogo correto, avançando os seus peões em ambas as alas tentando limitar as ações das peças menores adversárias, como o fez Steinitz no jogo modelo mencionado. A maneira dos antigos gerais, o rei preto comandou seu exército e avançou, até chegar a casa h3.
Neste ponto, as agencias de noticias informavam que a demanda por assitir online estes jogos decisivos provocou a queda de numerosos sites em todo o planeta (depois dizem que o xadrez não provoca interesse! Os informes mencionam que 160 milhões de pessoas, somente na India, seguiram ao vivo os jogos de desempate)). Afortunadamente, o site oficial voltou à normalidade e se pudo seguer a partida com o nível de excelencia que os russos estão mostrando nos últimos torneios.
Naturalmente, com necessidade de vitória impostergável, Gelfand correu riscos que normalmente não aceitaria. Neste jogo ele continuou com o rei exposto e sacrificou um peão, embora compensado adequadamente pela criação de um livre na coluna h e o par de bispos.
Astutamente, o campeão mundial iniciou uma série de ações que culminaram -ainda devolvendo o peão a mais- com a troca de seu cavalo pelo bispo de casas pretas adversário, resultando um final de torre e bispos de cor diferente. A única esperança de Gelfand era, nesta hora, o peão h livre, mais afastado que o das brancas na coluna f que, alias, estava sendo bloqueado eficazmente. O desafiante ganhou atividade como para manter certa iniciativa, porém a disposição de material não permitia muitas ilusões. Nem o tempo: cinco minutos para Anand, escasos segundos para o desafiante.
A seguinte metamorfoses foi a conversão dessa posição num final de torres inofensivo que envolveu ainda a desaparição dos peões livres, ficando os sobreviventes na ala de dama. O empate era, então, questão de tempo. Com a divisão do ponto Anand reteve o título e segue sendo campeão mundial. Boris Gelfand, entretanto, teve uma atuação digna e de nenhúm jeito se mostrou inferior ao campeão na parte técnica. Somente o forte apuro de tempo o condicionou e levou a derrota nestes desempates. Administrar bem o tempo, entretanto, é uma das qualidades dos grandes enxadristas, e Anand demonstrou mais uma vez sua qualidade e bons nervos, pelo qual a sua vitória é merecida.

Anand,Viswanathan (2799) - Gelfand,Boris (2739)
WCh Rapid Tiebreak Moscow RUS (4), 30.05.2012
1.e4 c5 2.Cf3 d6 3.Bb5+ Cd7 4.d4 Cgf6 5.e5 Da5+ 6.Cc3 Ce4 7.Bd2 Cxc3 8.Bxd7+ Bxd7 9.Bxc3 Da6 10.exd6 exd6 11.De2+ Dxe2+ 12.Rxe2 f6 13.b3 Bb5+ 14.Rd2 Bc6 15.Tad1 Rf7 16.Rc1 Be7 17.d5 Bd7 18.Bb2 b5 19.Cd2 a5 20.The1 The8 21.Te3 f5 22.Tde1 g5


23.c4 b4 24.g3 Bf8 25.Txe8 Bxe8 26.Cf3 Rg6 27.Te6+ Rh5 28.h3 Bf7 29.Tf6 Bg6 30.Te6 Te8 31.Bf6 g4 32.hxg4+ Rxg4 33.Ch2+ Rh3


34.Cf3 f4 35.gxf4 Rg4 36.Cg5 Ta8 37.Te3 Rf5 38.Bb2 a4 39.Ce6 Bh6 40.Th3 Bxf4+ 41.Cxf4 Rxf4 42.Bf6 Ta7 43.Te3 Be4 44.Bh4 axb3 45.Bg3+ Rf5 46.axb3 Ta1+ 47.Rd2 Ta2+ 48.Re1 Ta6 49.f3 Bb1 50.Rd2 h5 51.Rc1 h4 52.Bxh4 Rf4


53.Bg5+ Rxg5 54.Rxb1 Rf4 55.Te6 Rxf3 56.Rb2 ½–½

d3: Gelfand perde oportunidades e empata

O terceiro jogo do desempate do match pelo título mundial foi uma luta dramática onde o desafiante teve excelentes chances de igualar o placar; no entanto depois de diversas imprecisões a partida acabou em empate e agora o desafiante precisa ganhar de pretas para equilibrar o placar (que está 2x1 para o campeão mundial) e forçr um desempate mediante jogos blitz. 
A abertura -uma Eslava, variante 3.Cf3 Cf6 4.e3 Bf5- do terceiro jogo dos quatro estipulados para desempatar o match Anand - Gelfand resultou um grande sucesso para o desafiante, que obteve a melhor posição após 13.c5 e 14.f4. Com mais espaço e par de bispos, o primeiro jogador dispús de excelentes chances de incrementar a vantagem, porém no momento crítico escolhas duvidosas (25.Bxe5, 26.Txb8) tiraram fora toda a sua vantagem. A luta mudou, se encaminhando a uma posição onde Gelfand tinha duas torres e bispo contra duas torres e cavalo de Anand, com peão a mais para o israelí porém compensação para o indiano, que contava com um forte peão passado na coluna e. Nas complicações que seguiram, o jogo foi derivando a um final onde apesar de manter a diferencia material as brancas a divisão do ponto era o resultado mais provável. No entanto, após novas imprecisões dos dois mestres, finalmente se chegou a uma posição com torre e dois peões de Gelfand contra torre de Anand, porém os peões ficaram isolados e podiam ser atacados, enquanto o rei branco era cortado peça torre preta. O desafiante teve chances de vitória, mais uma vez perdidas.
Com este resultado Anand está a somente meio ponto de manter o título.
Provavelmente por exceso de visitantes, o site oficial não pudo se manter online normalmente, pelo qual a transmissão de movimentos se realizou em forma intermitente. Ao momento de escrever estas linhas, ainda não contamos com o jogo completo.

Gelfand,Boris (2739) - Anand,Viswanathan (2799)
WCh 2012 Moscow RUS (3), 30.05.2012

1.d4 d5 2.c4 c6 3.Cf3 Cf6 4.e3 Bf5 5.Cc3 e6 6.Ch4 Bg6 7.Cxg6 hxg6 8.Bd3 Cbd7 9.0–0 Bd6 10.h3 0–0 11.Dc2 De7 12.Td1 Tac8 13.c5 Bb8 14.f4 Ce8 15.b4 g5 16.Tb1 f5 17.b5 gxf4 18.exf4 Cef6 19.bxc6 bxc6 20.Ba6 Tc7 21.Be3 Ce4 22.Tb2 g5 23.Tdb1 gxf4 24.Bxf4 e5 25.Bxe5 Cxe5 26.Txb8 Cg6 27.Cxe4 fxe4 28.Df2 Dg7 29.Rh2 Tcf7 30.Dg3 Cf4 31.T8b3 Dxg3+ 32.Txg3+ Rh7 33.Td1 Ce6 34.Be2 Tf2 35.Bg4 Cf4 36.Tb1 Tf7 37.Tb8 Txa2 38.Tc8 e3 39.Txe3 Txg2+ 40.Rh1 Td2 41.Txc6 Ce6 o resto dos lances ainda não está disponível ½–½


 

d2: Anand vence após dura batalha estratégica


A segunda partida do desempate mediante jogos rápidos (25 minutos por jogador mais dez segundos de acréscimo) foi uma longa e difícil batalha nas trilhas da variante Rossolimo da Siciliana, onde o condutor das brancas, Viswanathan Anand, teve vantagem desde a abertura, que lhe concedeu um final com peão a mais que apesar disso parecia empate; entretanto, o maior capital do campeão era a diferencia de tempo: nesta fase, o mestre indiano contava com três a quatro minutos contra algo menos de trinta segundos do desafiante, o que demandou do mestre israelí nervos de aço. Como é comúm, com tão pouco tempo no relógio é difícil defender tudo, e logo Gelfand cometeu um erro que permiteu a passagem a um final de torre e peão contra torre ganhador para o campeão mundial.
A falta de dois jogos, Anand vence pelo placar 1,5 x 0,5 no tie-break



Anand,Viswanathan (2799) - Gelfand,Boris (2739)

WCh 2012 Moscow RUS (2), 30.05.2012


1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 e6 4.Bxc6 bxc6 5.b3 e5 6.Cxe5 De7 7.d4 d6 8.Cxc6 Dxe4+ 9.De2 Dxe2+ 10.Rxe2 Bb7 11.Ca5 Bxg2 12.Tg1 Bh3 13.dxc5 dxc5 14.Cc3 0–0–0 15.Bf4 Bd6 16.Bxd6 Txd6 17.Tg5 Cf6 18.Txc5+ Rb8 19.Cc4 Te8+ 20.Ce3 Cg4 21.Ccd5 Cxe3 22.Cxe3 Bg4+ 23.f3 Bc8 24.Te1 Th6 25.Th1 The6 26.Tc3 f5 27.Rd2 f4 28.Cd5 g5 29.Td3 Te2+ 30.Rc1 Tf2 31.h4 Tee2 32.Tc3 Bb7 33.Td1 gxh4 34.Cxf4 Te8 35.Th1 Tc8 36.Txc8+ Bxc8 37.Txh4 Bf5 38.Th5 Bxc2 39.Tb5+ Ra8 40.Cd5 a6 41.Ta5 Rb7 42.Cb4 Bg6 43.Cxa6 Txf3 44.Cc5+ Rb6 45.b4 Tf4 46.a3 Tg4 47.Rd2 h5 48.Cd7+ Rb7 49.Ce5 Tg2+ 50.Rc3 Be8 51.Cd3 h4 52.Te5 Bg6 53.Cf4 Tg3+ 54.Rd4 Bc2 55.Th5 Txa3 56.Txh4 Tg3 57.Cd5 Tg5


As brancas estão algo melhores nesta posição -o peão a mais oferece legítimas chances- porém as pretas devem poder alcançar o empate. No entanto, o tempo é um fator importante, e o desafiante tinha aqui menos de trinta segundos. Apesar de receber acréscimo de dez segundos por lance, não é tarefa técnica simples...

58.b5 Bf5 59.Th6 Bg4

59...Bg6!?

60.Tf6 Tf5 61.Tb6+ Ra7 62.Tg6 Bf3

Melhor é 62...Bh5

63.Tg7+ Rb8 64.Cc3 Bb7 65.Rc4 Bf3 66.Rb4 Bd5 67.Ca4!

O final de torres após 67.Cxd5 é empate; a única chance de vitória branca passa por manter as peças no tabuleiro

67...Tf7

67...Bf7!?

68.Tg5 Bf3 69.Cc5± Rc7 70.Tg6 Rd8?

Por que afastar o rei? As pretas ainda podiam jogar 70...Bb7 e depois de 71.b6+ Rb8 72.Tg8+ Bc8 73.Rb5 (73.b7 Txb7+ 74.Cxb7 Rxb7) 73...Tf5 com chances práticas de resistir, por exemplo após 74.Tg7 Th5 75.Tc7 Tg5

71.Ra5 Tf5

71...Ta7+!?, porém a posição é já muito difícil para as pretas; com pouco tempo no relógio elas não puderam impedir o crescimento das peças brancas

72.Ce6+ Rc8 73.Cd4 Tf8 


74.Cxf3!

Com o rei branco adiantado, a passagem ao final de torres é agora ganhador

74...Txf3 75.Rb6 Tb3 76.Tg8+ Rd7 77.Tb8

As pretas não podem impedir o avanço do peão 1–0

Desempate em marcha

Em jogo o desempate do match pelo título mundial entre Viswanathan Anand e Boris Gelfand. O primeiro jogo, com o desafiante levando as brancas, foi uma semieslava, variante anti-Merano (esta vez Anand não insisteu com os esquemas misturados com ...a6)

Gelfand,Boris (2739) - Anand,Viswanathan (2799)
WCh 2012 Moscow RUS (1), 30.05.2012
[Notas do MI Luis Rodi]
1.d4 d5 2.c4 c6 3.Cc3 Cf6 4.e3 e6 5.Cf3 Cbd7 6.Dc2 Bd6 7.Bd3 0–0 8.0–0 e5 9.cxd5 cxd5 10.e4 exd4 11.Cxd5 Cxd5 12.exd5 h6 13.b3!?


Novidade, numa posição onde é considerada crítica 13.Cxd4 Um exemplo recente é 13...Dh4 14.Cf3 Dh5 15.Bh7+ Rh8 16.Df5 Dxf5 17.Bxf5 Cf6 18.Bc2 b6 19.Bb3 Bb7 20.Td1 Tad8 com jogo aproximadamente igual, Ivanisevic - Beliavsky, Porto Carras 2011

13...Ce5 14.Cxe5 Bxe5 15.Te1

15.Ba3!?

15...Te8 16.Bb2

16.f4!?

16...Bd7 17.Dd2 Df6

17...Tc8!?

18.g3 Tac8 19.a4?!

19.Db4!?

19...Df3!


Com iniciativa para o segundo lado

20.Be4

20.De2!? Dxd5 21.Bc4 com compensação

20...Dxb3 21.Teb1 Bxg3 22.Ta3 Db6

22...Dc4!? 23.Tc1 Bf4 24.Dxf4 De2 25.Txc8 Bxc8 26.Bg6 Dd1+ 27.Rg2 fxg6 28.Dxd4 Dxd4 29.Bxd4 Bf5 e as pretas ficariam algo melhores

23.Bxd4= Bxh2+ 24.Rxh2 Dd6+ 25.Tg3 Txe4 26.Bxg7


26...Rh7?

Perdendo pé nas complicações; as pretas mantém equilíbrio com 26...Th4+ 27.Rg2 Bh3+! 28.Txh3 Tg4+ 29.Tg3 Dg6=

27.Txb7 Tg8

Não é melhor 27...Tg4 28.Dxh6+ Dxh6+ 29.Bxh6 Txg3 30.Rxg3 Bxa4 31.Bf4±

28.Dxh6+?!

Devolução de gentilezas. 28.Dd3 Df4 29.Rg2±

28...Dxh6+ 29.Bxh6 Txg3 30.Rxg3 Bc8 31.Tc7

31.Txf7+ Rxh6 32.Txa7!? porém o empate seria o resultado lógico aqui

31...Rxh6 32.Txc8 Txa4 ½–½

terça-feira, 29 de maio de 2012

Projeto brasileiro ganha premio "Spirit of Sports"

O nosso jogo, a FIDE e o projeto social brasileiro «Xadrez que Liberta» concebido pelo Vice Presidente Financeiro da Confederação Brasileira de Xadrez Prof. Charles Moura Netto e que tem como consultor o GM Darcy Lima Vice-Presidente da FIDE Américas e Consultor da Federação Internacional de Xadrez para projetos sociais obteve um novo reconhecimento, ao receber o primeiro premio «Spirit of Sport». O anuncio foi feito durante a convenção Sportaccord realizada na cidade de Quebec, Canada, o passado 24th de maio.

O premio «Spirit of Sport» fou criado pelo Sportaccord Council no ano 2002 e galardona pessoas e instituções que realizam contribuções importantes e excepcionais utilizando o esporte como ferramenta para mudanzas sociais positivas.

A Sportaccord aglutina as diversas entidades esportivas do planeta (como a FIDE, a FIFA -futebol-, a FIBA -basquet- ou a ITC -tenis-); foi criada no ano 1967 e tem sede na cidade suíça de Lausanna. O seu presidente é o holandés Hein Verbruggen.

O projeto brasileiro se desenvolve desde o ano 2005 no estado de Espiritu Santo, beneficiando aproximadamente três mil internos do sistema penitenciário do Espírito Santo. O projeto foi implantado pela Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) em parceria com a Prefeitura Municipal de Santa Maria de Jetibá.

O secretário de Estado da Justiça (ES), Ângelo Roncalli de Ramos Barros, comemorou o prêmio. «Este tipo de reconhecimento é muito importante e incentivador para que possamos continuar seguindo neste caminho e, proporcionando um ambiente de mudança de atitude para aqueles que cumprem pena. O xadrez é um esporte que desenvolve a capacidade intelectual e socializa as pessoas. Também é um esporte disciplinador, que promove a criatividade, o planejamento e a reflexão», disse o secretário.

Mais do que entreter os internos, o objetivo do projeto é traçar paralelos entre o jogo e a vida. «Incentivamos a reflexão e mostramos que, como no jogo, na vida também precisamos respeitar regras, respeitar o momento de decisão do outro e ainda nos colocarmos na situação do outro. Buscamos com esta analogia desenvolver valores nos internos», explica a diretora de Ressocialização do Sistema Penal, Quésia da Cunha Oliveira.
Segundo o vice-presidente da Confederação Brasileira de Xadrez, Charles Moura Netto, «o projeto Xadrez que Liberta será adotado em presídios femininos do mundo como política, por meio da ex-presidente do Chile e atual diretora Executiva para Políticas para as Mulheres da Organização das Nações Unidas (ONU), Michelle Bachelet». Para tratar do tema, Moura Netto e o grande mestre Darcy Lima participarám de uma reunião na sede da ONU, em Nova Iorque, no próximo mês de junho.

Desempate, emoção e lotería


Considerando a importancia que o título mundial possue, a sugerencia do treinador e mestre internacional Mark Dvoretski de instaurar como primeira fase de desempate partidas com uma hora no relógio de cada enxadrista parece a mais adequada.
O modo estabelecido pela organização, no entanto, envolve na primeira fase jogos com menos da metade do tempo acima mencionado, o que em definitiva converte os jogos em episodios mais emocionantes e dramáticos, porém também mais dependentes do acaso. E nem falar se os quatro jogos rápidos mantém o placar equilibrado: se define mediante blitz, onde as partidas tem ainda mais acaso que nas rápidas e o nível de jogo desce sensivelmente. No raro caso de persistir o equilíbrio, tudo se define mediante um jogo armaggedon, que Dvoretsky não vacila em denominar uma forma idiota de desempatar um título mundial.
Desempates com jogos rápidos e bliz são como a definição por penalties no futebol, uma grande lotería onde todo pode acontecer. Se repassamos os antecedentes, Anand é claro favorito: leva a diantera com +8 =19 -1 nos jogos rápidos e +3 =4 -0 nos jogos blitz. Neste match, nos jogos pensados, ele também empregou menos tempo e quase sempre ficou com apreciável vantagem no relógio. No entanto, na oportunidade mais importante que eles se enfrentaram, o desempate pela Copa Mundial do ano 2000 na cidade de Shenyang (China) após quatro empates o match teve que se decidir mediante um jogo armaggedon, que Anand acabou vencendo.
Isto é, nos jogos de responsabilidade Gelfand é capaz de jogar um melhor xadrez -fato demonstrado, por outra parte, neste match, onde muitos auguravam uma segura derrota na fase das pensadas-, pelo qual -e mantendo Anand a condição de favorito sem dúvidas- a definição pode ser tão dura quanto as fases prévias.
Os desempates do dia 30 estão previstos para se desenvolver da seguinte forma:
* Quatro jogos rápidos, com cada mestre contando com 25 minutos no relógio e 10 segundos de acréscimo para cada lance feito. Pausa de dez minutos entre a realização de cada jogo. Alguns sites informaram que Gelfand leva as brancas no primeiro jogo.
* No caso de empate, se realizarán mais dois jogos blitz, com cada mestre contando com 5 minutos no relógio mais 3 segundos de acréscimo para cada lance feito. De persistir o empate, se realiza uma nova série de dois jogos blitz, até um máximo de cinco séries (dez jogos blitz em total).
* Se ainda assim não há um vencedor, tudo se define mediante um jogo de morte súbita (armaggedon). Se realiza um sorteio; o vencedor do mesmo escolhe com que cor vai jogar a partida. O jogador das peças brancas vai contar com 5 minutos no relógio, o das peças pretas com 4 minutos. Após o lance 60, cada mestre conta com um acréscimo de 3 segundos por lance. Em caso de empate, o condutor das pretas é declarado vencedor do match.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Anand e Gelfand, ao desempate


Como era previsível, o último jogo dos doze pensados estabelecidos para o match Anand - Gelfand acabou também com a divisão do ponto, pelo qual o match pelo título mundial vai se definir nesta quarta, quando quatro jogos rápidos -e no caso de empate dez blitz em baterías de dois jogos, e de persistir a igualdade um jogo armaggedon- determinem o campeão.
Na 12a partida, Anand voltou empregar o sistema Rossolimo contra a Siciliana de Gelfand, procurando uma ligeira vantagem de abertura sem arriscar muito. O jogo ganhou interesse após uma entrega de peão do campeão, que foi respondido por uma original devolução do material que não gostou aos comentaristas oficiais da prova -porém que Anand elogiou depois da partida-. Na posição resultante se produz mais uma entrega de peão do desafiante, que acabou sendo compensada por uma maior porção de espaço e par de bispos. A luta estratégica era pois original, porém nesta hora os contendentes declararam o empate.

Anand,Viswanathan (2791) - Gelfand,Boris (2727)
WCh 2012 Moscow RUS (12), 28.05.2012
1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 e6 4.Bxc6 bxc6 5.d3 Ce7 6.b3 d6 7.e5 Cg6 8.h4 Cxe5 9.Cxe5 dxe5 10.Cd2


10...c4 11.Cxc4 Ba6 12.Df3 Dd5 13.Dxd5 cxd5 14.Cxe5 f6 15.Cf3 e5 16.0–0 Rf7 17.c4 Be7 18.Be3 Bb7 19.cxd5 Bxd5 20.Tfc1 a5 21.Bc5 Thd8 22.Bxe7


½–½

domingo, 27 de maio de 2012

O jogo que pode ser decisivo


Amanha segunda feira terá lugar o último ato o drama em doze episódios que tem por objetivo determinar quem vai ser o campeão mundial de xadrez durante os próximos meses -e que deixou o placar igualado após os primeiros onze capítulos-. No caso de empate, teremos desempates o dia 30, porém as possibilidades de uma definição nesta última partida pensada não podem se depreciar.
Tudo depende, claro, da estrategia que assuma cada um dos contendentes. Tanto o campeão mundial, Viswanathan Anand, quanto o desafiante, Boris Gelfand, têm boas experiencias com definições em jogos rápidos, pelo qual um empate na última partida da série de pensadas pode não ser uma preocupação especial para eles. Diferente aconteceu no ano 2010 na cidade de Sofia, quando chegaram a mesma instância -placar empatado em 5,5 pontos- o mesmo Anand, já campeão mundial, com o seu então desafiante Vesselin Topalov. O mestre búlgaro, que levava as brancas, prefiriu arriscar tudo nessa última rodada, não confiando nas suas chances no caso de eventuais jogos de desempate. Como resultado dessa decisão ele desenvolveu um jogo com caraterísticas suicidas e acabou perdendo.
Gelfand, opinam os comentaristas presentes em Moscou, deveria seguir diferente política, considerando o previamente dito: ele teve bons desempenhos nas definições deste tipo -por exemplo, no candidatura de Kazan-. E, detalhe importante, leva as pretas. Ainda assim, seu placar com Anand em jogos rápidos e blitz é claramente deficitário: o indiano leva a diantera com +8 =19 -1 nos jogos rápidos e +3 =4 -0 nos jogos blitz. Na oportunidade mais importante que eles se enfrentaram, o desempate pela Copa Mundial do ano 2000 na cidade de Shenyang (China) após quatro empates se decidiu mediante um jogo armaggedon, onde Anand acabou vencendo.
As estatísticas, se bem não dizem tudo e nem sempre importam, podem marcar para o jogo de amanha uma política de risco zero para o campeão mundial, que leva as brancas. Anand pode abrir com 1.e4 ou 1.d4, procurar uma posição de ligeira vantagem e ver se ela alcança para jogar mantendo a pressão e sem correr riscos. Nesse caso o jogo provavelmente terá destino de empate entre 20 e 30 lances, e os desempates uma realidad.
Menos possível, mas dentro das provabilidades, é que o mestre indiano jogue uma linha de ponta (digamos, a 1.d4 Cf6 2.c4 g6 3.f3!? anti-Grünfeld que lhe outorgara a vitória no jogo 8) e arrisque algo mais tendo em conta a importancia esportiva da luta.
Dadas as duas possibilidades, e sendo a primeira a mais provável, vale a pena mencionar que os desempates do dia 30 estão previstos para se desenvolver da seguinte forma:
* Quatro jogos rápidos, com cada mestre contando com 25 minutos no relógio e 10 segundos de acréscimo para cada lance feito. Pausa de dez minutos entre a realização de cada jogo.
* No caso de empate, se realizarán mais dois jogos blitz, com cada mestre contando com 5 minutos no relógio mais 3 segundos de acréscimo para cada lance feito. De persistir o empate, se realiza uma nova série de dois jogos blitz, até um máximo de cinco séries (dez jogos blitz em total).
* Se ainda assim não há um vencedor, tudo se define mediante um jogo de morte súbita (armaggedon). Se realiza um sorteio; o vencedor do mesmo escolhe com que cor vai jogar a partida. O jogador das peças brancas vai contar com 5 minutos no relógio, o das peças pretas com 4 minutos. Após o lance 60, cada mestre conta com um acréscimo de 3 segundos por lance. Em caso de empate, o condutor das pretas é declarado vencedor do match. 

sábado, 26 de maio de 2012

A falta de um jogo, o match segue empatado


A 11a partida do match entre Anand e Gelfand adicionou mais meio ponto a cada protagonista, após uma interessante porém curta luta. Desse jeito, o encontro permanece igualado (5,5 x 5,5) e a última oportunidade, nesta fase de jogos clássicos, para desequilibra-lo vai ter lugar na próxima segunda feira, com o campeão mundial levando as brancas.
Na partida de hoje, Anand manteve a Nimzoindia como a sua defesa contra o peão dama de Gelfand, porém modificou o sistema trocando a variante Karpov empregada no jogo 9 por uma velha ideia de Bronstein (8...Bd7) que evidentemente caiu fora da preparação do desafiante (que empregou 35 minutos para realizar o seu seguinte lance). Ainda assim Gelfand manteve a tradicional iniciativa das brancas e, a falta de tempo para profundizar possíveis linhas procurando vantagem simplificou a posição, política que finalmente levou ao empate. Como aconteceu em outros jogos, o mais interessante dele permaneceu oculto aos amadores; nesta oportunidade ideias como 16.a4 (sinalada por Gelfand após o jogo) ou 17.Cd2 merecem séria atenção, e deveriam levar a um jogo algo melhor para as brancas.



Gelfand,Boris (2727) - Anand,Viswanathan (2791)

WCh 2012 Moscow RUS (11), 26.05.2012


[Comentários resumidos dos feitos pelo MI Luis Rodi para a edição 834 de Xadrez Diário]

1.d4 Cf6 2.c4 e6 3.Cc3

É provável que se 3.Cf3 a resposta seja 3...d5 No entanto, após o lance feito por Gelfand, na elite são menos proclives á jogar 3...d5. O motivo? A terrível variante das trocas com a possibilidade Cge2. Dai a resposta de Anand

3...Bb4 4.e3

A variante Rubinstein é uma boa escolha, considerando que no jogo 9 o desafiante obteve vantagem com ela. É evidente que Anand tem preparada alguma modificação...

4...0–0 5.Bd3 d5 6.Cf3 c5 7.0–0 dxc4 8.Bxc4 Bd7!?


E aqui está ela. Com este lance raramente jogado -criação, nos anos cinquenta, de David Bronstein; empregada posteriormente por Taimanov e Korchnoi-, Anand se afasta do curso da nona partida, quando 8...cxd4 9.exd4 b6 -a variante Karpov- foi empregada sem muito sucesso para ele 

9.a3 Ba5 10.De2 Bc6 11.Td1 Bxc3

Nesta ordem concreta, a troca é uma novidade. O antecedente 11...Cbd7 é mencionado no livro de Carsten Hansen sobre a variante Rubinstein, com a continuação 12.d5 exd5 13.Cxd5 Cb6 14.Cxb6 Dxb6 15.Ce5 Ba4 16.Td3 Dc7 17.b3 Bxb3 18.Txb3 Dxe5 19.Bb2 com compensação, Szabo - Kholmov, Leningrado 1967. No entanto, nesta linha Yusupov oferece 12.Bd2 indicando que as brancas têm uma ligeira vantagem; 11...De7 (Donner - Kholmov, La Habana 1965) é outra possibilidade

12.bxc3 Cbd7 13.Bd3 Da5 14.c4!? cxd4 15.exd4 Dh5


Visando uma posição sem damas. As fraquezas estruturais -como os peões colgantes e o isolado na coluna a- são mais evidentes a medida que nos acercamos ao final. Claro que as brancas -com par de bispos e mais espaço- têm também seus elementos favoráveis, pelo qual a posição deve se considerar incluso como algo melhor para elas -a tradicional iniciativa que se fes costume neste match-

16.Bf4 Tac8 17.Ce5

Com muito menos tempo no relógio, a simplificação para chegar a uma posição menos complexa é uma decisão razoável. 17.Cd2! era a principal opção, mais batalhadora

17...Dxe2 18.Bxe2 Cxe5 19.Bxe5 Tfd8

O par de bispos determina certa vantagem para o primeiro lado -como em situações semelhantes, esse elemento pesa mais que as fraquezas estruturais-, porém a posição preta é sólida e não parece fácil progredir

20.a4 Ce4 21.Td3 f6 22.Bf4 Be8!

Com adequada pressão sobre os peões colgantes, Anand obteve finalmente um equilíbrio claro

23.Tb3 Txd4 24.Be3 Td7


Com equilíbrio absoluto. 25.Bxa7 se responde com 25...Cc5 26.Tb2 Cd3 27.Bxd3 Txd3 28.Txb7 Bxa4 com evidente igualdade ½–½

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Perto da definição


Apenas dois jogos restam para a finalização da fase regular (doze jogos) do match pelo título mundial que, na cidade russa de Moscou, enfrenta ao campeão Viswanathan Anand e o seu desafiante Boris Gelfand. Até o momento o placar está igualado em 5 unidades, e o desenvolvimento se apresentou equilibrado e muito duro, com um começo tranquilo e com poucas ações emotivas, o in crescendo da segunda parte, onde duas definições aconteceram, e ós últimos dois empates, de diferente signo.
No jogo 9, Anand se desviou da sua costumeira eslava para experimentar com a Nimzoindia, porém o resultado da abertura foi melhor para o primeiro jogador. Gelfand ganhou cedo o par de bispos, e logo o bispo sobrevivente do campeão também se trocou por um cavalo. O par de bispos em conjunto com as peças pesadas do mestre israelí outorgavam ligeira vantagem, mas talvez ele tinha-se apressado ao converter essa posição em outra onde acabou com dama contra torre e cavalo de Anand, mas com boas chances de criar uma fortaleza desde o lado preto. Eventualmente isso foi o que aconteceu, não achando Gelfand a forma de quabrar a resistência e finalmente tendo que aceitar a divisão do ponto. Talvez no momento certo, uma diferente ruptura na ala do rei (por exemplo, g4 em lugar de f4) teria dado melhores chances práticas ao desafiante.
O jogo 10 teve um corte diferente. Anand abreu com peão rei e, contra 1...c5 2.Cf3 Cc6 se decideu pela variante Rossolimo (3.Bb5), evitando a Sveshnikov porém dando uma eviente mensagem: a política de risco zero voltou. O campeão tentou obter suco das pedras e chegou contar com alguma iniciativa, porém logo de adequadas medidas defensivas de Gelfand acabou num empate relativamente rápido.
No jogo de amanha, levando Gelfand as brancas, é possível que o desafiante tente outra batalha estratégica de longo alcance. A maior incógnita, por estas horas, é estabelecer qual vai ser a defesa de Anand. Insistir com a Nimzoindia (ao menos com a linha empregada na partida 9) pode ser arriscado, porém o esquema eslavo utilizado nos jogos prévios começava dar sinais de cansancio. Talvez um gambito de dama declinado? Foi essa a escolha do campeão no último jogo do seu match contra Topalov, também com placar igualado (lembremos: ele venceu com a variante Lasker aproeitando o jogo suicida de um Topalov desconhecido). Em tudo caso, um misterio aberto que começa ser desvelado amanha na capital russa.
Após mais um dia livre (o 27) a última partida vai ter lugar o dia 28, com o campeão mundial levando as brancas. Podem ser duas partidas dramáticas e cheias de emoção o simplesmente o ato de marcar tempo até a definição nos jogos rápidos do desempate... esperemos o primeiro!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Este fim de semana, o estadual Classe C!!

Objetivo: - Apontar o campeão da categoria , os classificados para o estadual classe “B” e incentivar a prática de xadrez no estado do Rio de Janeiro.
Participação - Aberto a todos enxadristas com rating FEXERJ até 1599.

Data - 26 e 27 de maio de 2012.
Local - AXXM – Avenida Ernani Cardoso 183 –Cascadura – Rio de Janeiro - (Clube dos Suboficiais e Sargentos da Aeronáutica.)

Sistema de jogo - suiço em 6 rodadas.

Tempo de reflexão -61 minutos para cada jogador.

Arbitragem: AI Elcio C. L. Mourão , AF Marcelo Einhorn e AA Eduardo A. Anzuategui.

Premiação: R$600,00
Campeão ­-Troféu e R$250,00
Vice-Campeão – Troféu e R$150,00
Terceiro colocado - Troféu e R$100,00
Quarto colocado – Medalha e R$50,00
Quinto colocado – Medalha e R$50,00

Todos os jogadores que fizerem no mínimo 4 pontos estarão classificados para o Estadual classe “B e também para o Campeonato Carioca (caso sejam federados por clubes da capital) ou Campeonato do Interior (caso sejam federados por clubes fora da capital).

Programação:

Sexta-feira - 18:00 horas – encerramento das inscrições.

Sábado 26/05/2012 abertura - 12:30h.

Primeira rodada 13:00 h. _ Segunda rodada 15:30 h. _ Terceira rodada 18:00 h.

Domingo 27/05/2012

Quarta rodada 10:00 h. _ Quinta rodada 13:15 h. _ Sexta rodada 15:45 h.

Premiação 18:00 h.

Taxa de inscrição – R$20,00

Jogadores com 14 anos ou menos - R$10,00

As inscrições podem realizar-se das seguintes formas:

a) Com cada diretor ou responsável de clube;

b) Diretamente na AXXM às quartas –feiras de 19:30 h. às 21:30 h. e sábado de 15:00 às 17:00 h;

c) Depósito na Cta. Poupança da Caixa Económica Ag. 1707 cta. 013.00.004.638-6 em nome de Eduardo A. Anzuategui.

Enviar a cópia do comprovante de depósito e informações do jogador por e-mail para: tecnicofexerj2012.2015@gmail.com

Critérios de desempates:

1. Confronto direto.
2. Escore acumulado total.
3. Bucholz
4. Buchholz Mediano
5. Maior número de vitórias
6. Sorteio

Material: Os jogadores devem comparecer com relógios de xadrez em perfeito estado de funcionamento.

Recursos : Não serão aceitos recursos contra este regulamento após o início da primeira rodada.

Obs. Os participantes e o público autorizam e cedem o direito de uso de seu nome, voz e imagem para a utilização em toda a mídia impressa e eletrônica para a divulgação sem nenhum ônus e por prazo indeterminado.

(No clube existe local para refeições.)

Maiores informações:

Eduardo Alberto Anzuategui – VICE-PRESIDENTE TÉCNICO DA FEXERJtecnicofexerj2012.2015@gmail.com
Cel: 8223-5482

Alberto Pinheiro Mascarenhas-PRESIDENTE DA FEXERJ
presidentefexerj2012.2015@gmail.com

Jogo 10: empate calmo

A décima partida do match entre Anand e Gelfand foi mais um empate calmo. A ligeira iniciativa gestada pelo campeão mundial na abertura (uma Siciliana variante Rossolimo) não alcançou -desde o ponto de vista dos protagonistas- para lutar pelo ponto, apesar do final de torre e peça menor por lado produzido possa ter sido jogado sem que uma via direta ao equilíbrio seja clara.

Anand,Viswanathan (2799) - Gelfand,Boris (2739)
WCh 2012 Moscow RUS (10), 24.05.2012
1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 e6 4.Bxc6 bxc6 5.b3 e5 6.Cxe5 De7 7.Bb2 d6 8.Cc4 d5 9.Ce3 d4 10.Cc4 Dxe4+ 11.De2 Dxe2+ 12.Rxe2 Be6 13.d3 Cf6 14.Cbd2 0–0–0 15.The1 Be7 16.Rf1 The8 17.Ba3 Cd5 18.Ce4 Cb4 19.Te2 Bxc4 20.bxc4 f5 21.Bxb4 cxb4 22.Cd2 Bd6 23.Txe8 Txe8 24.Cb3 c5 25.a3


½–½

Amanha vai ser dia livre; o jogo 11 (penultimo da série) se realiza o próximo dia 26, com Gelfand levando as brancas. 

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Empate com luta; Gelfand ficou perto



A nona partida do match entre Anand e Gelfand pelo título mundial acabou em empate após 49 lances -a mais extensa até o momento-, em jogo onde o desafiante teve boas chances de vitória.
Diferente das prévias, onde tinha empregado um esquema eslavo, nesta oportunidade Anand começou com 1...Cf6, manifestando a sua decisão de utilizar uma defesa índia. Pouco depois, sobre o tabuleiro apareceu a linha principal do sistema Rubinstein contra a Nimzoindia, variante Karpov. Manobrando com as suas peças, Gelfand obteve a melhor posição, com espaço e par de bispos. Logo o campeão entregou mais um bispo e uma luta de bispos contra cavalos mais peças pesadas se produz, onde as chances brancas sem dúvida eram melhores.
O mestre israelí tinha espaço para continuar manobrando, porém tomou a decisão de ingressar numa variante onde ganhou a dama adversária cedendo torre, bispo e peão. Mais umas simplificações e uma interessante luta de dama contra torre e cavalo começou, com as brancas sempre mantendo a iniciativa. O campeão, entretanto, confiava na solidez da sua posição.
Provavelmente nesta fase Gelfand tinha deixado passar algumas oportunidades (por exemplo, 34.g4 parece forte em vez do 34.f4 dele), mas a posição, se bem que favorável às brancas, era ainda técnicamente difícil. O desafiante não achou o caminho e o jogo acabou em empate.

Gelfand,Boris (2739) - Anand,Viswanathan (2799)
WCh 2012 Moscow RUS (9), 23.05.2012
1.d4 Cf6 2.c4 e6 3.Cc3 Bb4 4.e3 0–0 5.Bd3 d5 6.Cf3 c5 7.0–0 dxc4 8.Bxc4 cxd4 9.exd4 b6 10.Bg5 Bb7 11.De2 Cbd7 12.Tac1 Tc8 13.Bd3 Bxc3 14.bxc3 Dc7 15.c4 Bxf3 16.Dxf3 Tfe8 17.Tfd1 h6 18.Bh4 Dd6


19.c5 bxc5 20.dxc5 Txc5 21.Bh7+ Rxh7 22.Txd6 Txc1+ 23.Td1 Tec8 24.h3 Ce5 25.De2 Cg6 26.Bxf6 gxf6 27.Txc1 Txc1+ 28.Rh2 Tc7 29.Db2 Rg7 30.a4 Ce7 31.a5 Cd5 32.a6 Rh7 33.Dd4 f5


34.f4 Td7 35.Rg3 Rg6 36.Dh8 Cf6 37.Db8 h5 38.Rh4 Rh6 39.Db2 Rg6 40.Dc3 Ce4 41.Dc8 Cf6 42.Db8 Te7 43.g4 hxg4 44.hxg4 fxg4 45.De5 Cg8 46.Dg5+ Rh7 47.Dxg4 f6 48.Dg2 Rh8 49.De4 Rg7 ½–½

O jogo comentado, na edição de amanha de Xadrez Diário para assinantes! (veja www.xadrezdiario.com para assinar o produto)

terça-feira, 22 de maio de 2012

Cambio de curso estratégico


A segunda metade do match pelo título mundial entre Anand e Gelfand começou muito mais animada, talvez respondendo a novas políticas estratégicas: ambos os mestres experimentaram com originais disposições de peças, produzindo posições difíceis de avaliar e muito complexas desde o ponto de vista posicional, o que elevou o grau de risco e teve uma imediata consequência: dois jogos definidos.
O incremento no interesse do match chega justo a tempo, quando após os seis empates prévios algumas vozes se levantaram (dentre elas, a de Kasparov, que pareceu ter esquecido que no seu próprio match com Anand os primeiros oito encontros acabaram com divisão do ponto) criticando a soposta falta de disposição agressiva dos protagonistas do duelo em Moscou.
Como já mencionamos, um match pelo título mundial tem as suas próprias regras estratégicas, e o planejamento que se realiza é muito diferente a outro tipo de duelos enxadrísticos. A política da primeira metade -o menor risco possível- não produz resultados aos nossos protagonistas, tendo em conta que o nível -se bem que o campeão mundial aparece como favorito- não é tão disímil.
Nesta segunda parte do match, já no começo (jogos 7 e 8) observamos decisões estratégicas arriscadas, que levaram a jogos desequilibrados e com diferentes elementos aparecendo nas avaliações. A maior dificuldade na hora de estabelecer planos se complementou com a também maior tarefa de cálculo.
No anterior dia livre lembramos um dos ditados de Petrosian acerca de jogar interessante e com isso ter mais chances de perder. A equação pode-se demostrar utilizando os dois últimos jogos.
No jogo 7, Anand parecia se encaminhar ao equilíbrio quando realizou uma manobra estratégica original porém arriscada com o seu lance 18...Db8, permitindo o dobrado de peões na casa f6 -no entanto, as pretas tinham ao menos duas opções claras de cômodo equilíbrio, pelo qual a necessidade de jogar desse jeito é questionável-. Gelfand não aceitou o convite, realizando em seu lugar um plano estratégico claro que, de ter respondido bem Anand, não teria oferecido mais que alguma iniciativa. Porém o campeão mundial tentou um contrajogo fora do espíritu da posição com 23...g5? e acabou debilitando seriamente a sua posição. O resto do jogo foi excelentemente conduzido por Gelfand.
No jogo 8, o jogo original na abertura foi responsabilidade do desafiante, que em uma linha pouco usual surpreendeu com duas decisões originais porém muito arriscadas (8...Ch5 e 9...Bf6) desde que existiam alternativas mais simples e o desenvolvimento da sua ala de dama ficou para melhor oportunidade. Desde o ponto de vista teórico, a escolha de Gelfand está justificada pelas dificuldades brancas na hora de realziar uma disposição harmônica das suas forças -o rei ainda em e1 pode ser alvo no caso de uma rápida abertura de linhas-, e de fato o mestre israelí obteve uma posição de equilíbrio dinâmico. Porém no momento crítico, quando a pergunta central refería a possibilidade (ou não) de ganhar as brancas uma ligeira iniciativa, o desafiante cometeu um sério erro de cálculo (14...Df6?), comprometendo a sua dama de forma decisiva. Desapontado, Gelfand abandonou na hora (talvez algo prematuramente), concedendo ao campeão direto de assinar uma miniatura.
Realizados 2/3 do encontro, o equilíbrio se mantém (4x4), porém a luta ganhou um diferente visual. Com ambos os protagonistas arriscando mais desde o plano estratégico e produzindo posições sem a simetría estrutural dos primeiros jogos. A falta de quatro jogos, tudo pode acontecer. 

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Anand se recupera com uma miniatura!


O match pelo título mundial entre Viswanathan Anand e Boris Gelfand, em marcha na cidade de Moscou, está agora empatado após uma sensacional vitória do campeão mundial.
Anand venceu em somente 17 lances, uma miniatura -acontecimento não visto faz muito tempo neste tipo de competencia-. O indiano acertou na escolha da abertura -o esquema 3.f3 que já na terceira partida tinha oferecido chances-, variando o desafiante no terceiro lance -3...c5 em vez de 3...d5-. A modificação feita outorga à posição semelhanças com os esquemas da Índia do Rei -as brancas, para evitar transposições à variante Sämisch dessa defesa adotaram um esquema com Ce2,Cec3-. Desde a abertura, o jogo ganhou um caráter complexo, que requeria de permanente cálculo. Qualquer erro podia estragar tudo, e finalmente foi o israelí quem o realizou. Na posição final, a sua dama fica engaiolada, e a perda de material é inevitável.

Anand,Viswanathan (2799) - Gelfand,Boris (2739)
WCh 2012 Moscow RUS (8), 21.05.2012
1.d4 Cf6 2.c4 g6 3.f3 c5 4.d5 d6 5.e4 Bg7 6.Ce2 0–0 7.Cec3 Ch5 8.Bg5 Bf6 9.Bxf6 exf6 10.Dd2 f5


11.exf5 Bxf5 12.g4 Te8+ 13.Rd1 Bxb1 14.Txb1 Df6 15.gxh5 Dxf3+ 16.Rc2 Dxh1 17.Df2


1–0
O encontro, a falta de quatro jogos, está agora empatado em 4 pontos. Amanhá é o quarto dia livre; a nona partida vai se realizar na próxima quarta feira (tudo com quatro). 

domingo, 20 de maio de 2012

Gelfand vence no sétimo jogo!

A segunda metade do match pelo título mundial entre o campeão Viswanathan Anand e o desafiante Boris Gelfand começou com uma vitória deste último, que finalmente logro quebrar a até agora sólido esquema eslavo do mestre indiano.
Gelfand empregou nesta oportunidade um novo sistema na tentativa de refutar o jogo de Anand, mudando com o lance 6.c5 que, a diferencia dos jogos prévios com as mesmas cores, não produz uma simplificação central na esperança de explorar as peças mais ativas; neste caso as brancas pretendem com base a ligeira vantagem de espaço obter as melhores chances.
O campeão mundial, diferente também dos outros jogos onde levou as pretas, empregou ideias estratégicamente arriscadas, saindo da abertura com uma posição inferior. Após o lance 18, as suas peças tinham uma pobre coordenação, enquanto as brancas se apoderavam da iniciativa dobrando as suas torres pela coluna c -via utilizada posteriormente para a invasão decisiva-.
Possivelmente em procura de contrajogo, Anand enfraqueceu ainda mais a sua posição ao jogar 23...g5 (no seu lugar, a mais cauta 23...Cdf6 era possível), e depois da troca de damas introduzida pelo lance 24.Dc7! ficou evidente que as brancas tinham uma clara vantagem devido as suas mais ativas peças e as chances de explorar as debilidades da posição preta.

Gelfand,Boris (2739) - Anand,Viswanathan (2799)
WCh 2012 Moscow RUS (7), 20.05.2012
1.d4 d5 2.c4 c6 3.Cc3 Cf6 4.e3 e6 5.Cf3 a6 6.c5 Cbd7 7.Dc2 b6 8.cxb6 Cxb6 9.Bd2 c5 10.Tc1 cxd4 11.exd4 Bd6 12.Bg5 0–0 13.Bd3 h6 14.Bh4 Bb7 15.0–0 Db8 16.Bg3 Tc8 17.De2 Bxg3 18.hxg3 Dd6


19.Tc2 Cbd7 20.Tfc1 Tab8 21.Ca4 Ce4 22.Txc8+ Bxc8 23.Dc2 g5


24.Dc7 Dxc7 25.Txc7 f6 26.Bxe4 dxe4 27.Cd2 f5 28.Cc4 Cf6 29.Cc5 Cd5 30.Ta7 Cb4 31.Ce5 Cc2 32.Cc6 Txb2 33.Tc7


33...Tb1+ 34.Rh2 e3 35.Txc8+ Rh7 36.Tc7+ Rh8 37.Ce5 e2 38.Cxe6 1–0

No final, não ajuda 38...Th1+ 39.Rxh1 e1=D+ 40.Rh2 onde as pretas devem entregar a dama (ficando com torre a menos) para evitar o mate branco.
Amanha 21 se desenvolve a oitava partida do match, com Anand levando as brancas. A definição produzida na presente partida sem dúvidas muda toda a estratégia e planejamento do match dos dois competidores, obrigando ao campeão mundial a obter uma vitória para equilibrar o encontro, pelo qual se supõe que a partir de hoje vamos ver um xadrez muito mais agressivo e com mais riscos no tabuleiro.
O placar é agora: Gelfand 4 x Anand 3, a falta de cinco jogos.

sábado, 19 de maio de 2012

Razões estratégicas


O campeonato mundial de xadrez, celebrado na cidade de Moscou entre o campeão Viswanathan Anand e o seu desafiante Boris Gelfand, chegado à metade das partidas previstas, se mostra equilibrado. Seis jogos, seis empates. Com excepção do terceiro deles, onde as brancas (levadas nesse caso por Anand) chegaram a ter uma vantagem evidente no pré-final, nas outras o mesmo cenário aconteceu: as brancas tiveram uma iniciativa de abertura (lembram dos tempos nos quais se falava da tradicional vantagem de abertura das brancas?) que, no entanto, nunca chegou ser suficiente para alcançar uma vantagem que permita ao menos sonhar com o ponto. Pode ser um bom resumo o efetuado por Gelfand após um desses jogos: "Eu não podia siquer imaginar como ameaçar a criação de uma ameaça nessa posição".
Como acontece nestes casos (ainda longe da cadeia de empates de, por exemplo, o primeiro match Karpov - Kasparov), a sucessão de empates trouxe vozes discordantes, sendo a mais estridente a do ex campeão mundial Garri Kasparov, que ontem afirmou que o match não era interessante e que Anand tinha perdido a motivação. O interesse, claro, é de acordo ao olhar de cada um. Outro ex campeão mundial, Tigran Petrosian, tinha uma frase famosa para o caso: "Eu posso ser mais interessante... e também perder!"
Evidentemente, tanto Anand quanto Gelfand têm as suas razões estratégicas para manter a luta neste estado. Em definitiva, o importante no match é ganhar sumando mais pontos que o adversário no correr dos doze jogos, e a vitória por um ponto envolve o mesmo que outra mais ampla. Parece que ambos os grandes mestres elaboraram uma política -por razões que devem ter analisado durante os meses prévios com profundidade- de risco zero, visando a exploração das vantagens que a abertura de brancas possa outorgar e a conjuração de qualquer atividade adversária quando estão do lado preto do tabuleiro.
Os nossos protagonistas acreditam que essa é a melhor estrategia considerando o momento, a circunstância e o adversário. Não parece lógico comparar o segundo elemento com o do match amistoso Kramnik - Aronian como o faz Kasparov. A motivação e os premios são muito diferentes. Também não parece útil compararao nível possível dos participantes deste encontro -com base nos jogos- com o de jogadores com alto elo como Aronian ou Carlsen -como também sinala Kasparov-. Para saber que podem fazer estes mestres no lugar de Gelfand, legítimo vencedor do último candidatura, ou Anand, legítimo e exclusivo campeão do mundo, há uma maneira de averigua-lo: vencer o próximo candidatura. Depois, se um jogo é mais ou menos aberto ou interessante desde o ponto de vista do público, pode ser conversa fiada ou questão de estilo.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Anand e Gelfand chegam à metade do match empatando (3x3)


A sexta partida do match entre o campeão mundial Viswanathan Anand e Boris Gelfand (foto) acabou num novo empate -o sexto consecutivo- levando o desafiante as peças brancas. O jogo se desenvolveu na mesma linha que nas partidas prévias onde o indiano levou as pretas, porém esta vez o representante israelí empregou uma continuação diferente (6.Dc2). Como nos anteriores jogos com esta variante, as brancas obtiveram uma pequena iniciativa, embora ela demonstrou não ser suficiente. A partida, com um resumo dos comentários ao jogo da edição de amanha do Xadrez Diário pode-se ver a continuação:



Gelfand,Boris (2739) - Anand,Viswanathan (2799)
WCh 2012 Moscow RUS (6), 18.05.2012


[Notas tomadas dos comentários do MI Luis Rodi]

1.d4 d5 2.c4 c6 3.Cc3 Cf6 4.e3 e6 5.Cf3 a6

Tendo em conta que os anteriores jogos (a 2a. e 4a. partidas do match) com esta variante foram empates relativamente cômodos para as pretas, o campeão mundial não ve necessidade de mudanças. Entretanto, quem muda é Gelfand, reemplazando o 6.b3 dos jogos prévios pelo seguinte lance, mais dentro do espíritu do sistema anti-Merano da Semieslava

6.Dc2 c5


Esta é a principal réplica, com mais de 400 jogos na minha base! (apesar de não se achar facilmente nos livros de teoria) Num primeiro olhar, o tratamento preto é devagar: esse lado avança o peão c em dois tempos e ainda assim "perde" um tempo no lance ...a6 em vez de desenvolver! Na era classica um jogo assim requeria uma rápida refutação -e recebia as seguras críticas dos formadores de opinão- porém o xadrez é uma atividade muito dinámica e ampla, onde praticamente cada ideia tem o seu lugar sob o sol. Na ordem que segue o jogo, as brancas foram privadas do desenvolvimento ativo do bispo dama (como acontece se as pretas tentam poupar o lance ...c6 e ingressam em posição semelhante desde o Gambito de Dama declinado) ao tempo que comprometeram sua dama na casa c2, onde pode ficar no futuro sob olhar da torre dama preta. O lance ...a6, entretanto, permite o típico contrajogo Merano com base na sequência ...dxc4, b5 -que as brancas evitam com o seu seguinte lance-

7.cxd5 exd5 8.Be2

Na base de dados, há 216 jogos com esta posição, com as brancas mostrando uma estatística razoável (53,9%, semelhante ao que obtém nas linhas principais de qualquer abertura clássica), o que em definitiva pode encorajar a utilização deste tipo de esquemas desde o lado preto! (sim, o nome de variante Anand para este esquema, por ser o mestre indiano o primeiro em emprega-lo de forma constante em jogos de tanta responsabilidade parece adequado)

8...Be6 9.0–0 Cc6 10.Td1 cxd4 11.Cxd4

Naturalmente. As esperanças brancas estão relacionadas com a possibilidade de explorar o peão isolado das pretas nesta posição

11...Cxd4 12.Txd4 Bc5 13.Td1 De7 14.Bf3 0–0


Uma difícil decisão -possivelmente tomada no laboratório caseiro do campeão mundial- que envolve a entrega do peão d5, procurando compensação ativa pelo mesmo em vez de proceder a sua defesa utilizando peças que ficam pasivas. Não sem surpresa é a novidade teórica do jogo, tentando fazer a vida preta mais fácil que na anteriormente jogada e natural 14...Td8 onde 15.b3 (15.Da4+ é também possível) 15...0–0 16.Bb2 Tc8 17.Cxd5 Bxd5 18.Bxd5 Bxe3 19.De2 Cxd5 20.Txd5 Bg5 (20...Bc5 parece melhor ideia, por exemplo 21.Te5 Dd6 22.Td1 Db6 com equilíbrio aproximado) 21.Te5 Df6 22.Te1 é algo melhor para as brancas 

15.Cxd5 Bxd5 16.Bxd5 Cxd5 17.Txd5 Tac8

A posição crítica da partida. Podem as brancas manter o peão de vantagem e ao mesmo tempo solucionar o desenvolvimento da sua ala dama?

18.Bd2

Gelfand da resposta negativa a pergunta prévia ou, mais provavelmente, ele não deseja se introduzir numa linha que deve ter sido muito bem preparada pelo adversário na calma do analises caseiro. Com tempo, para uma futura possibilidade, ele pode estudar as consequências do lance crítico 18.De2

18...Bxe3 19.Bc3 Bb6

Por diferente caminho, o jogo chegou a um cenário comúm neste match: estrutura simétrica, ligeira iniciativa branca pelas peças algo mais ativas

20.Df5 De6 21.Df3 f6 22.h4 Dc6


Anand prepara simplificações, considerando que ainda nas posições com estrutura deteriorada o pouco material presente vai outorgar excelentes chances de empate

23.h5

A última tentativa: utilizando a vantagem de espaço, as brancas tentam provocar algúm debilitamento no campo das pretas (por exemplo ...h6, onde as casas brancas no setor ficam fracas)

23...Tfd8

A solução mais simples

24.Txd8+ Txd8 25.Dxc6 bxc6

No final, alguma vantagem teórica tem as brancas devido aos peões isolados no campo preto, porém o segundo lado deve contar com recursos defensivos suficientes (o seu bem colocado bispo oferece contrajogo adequado)

26.Te1 26...Rf7= 27.g4!? Bd4 28.Tc1 Bxc3 29.Txc3 Td4 


½–½


Um dos destaques da jornada foi a presencia no local de jogos do ex campeão mundial Garri Kasparov (na foto abaixo), quem teve tempo para atender a impressa e comentar suas impressões sobre o encontro pelo título.


Garri também fez declarações políticas: "A siatuação na Rússia -diz- não facilita o desenvolvimento inteletual".
Voltando ao xadrez, a sétima partida do match Anand - Gelfand vai ter lugar o próximo dia domingo 20, com Gelfand novamente levando as brancas (a organização da prova estabelece esta reptição da cor). Amanha, dia livre, ambas as equipes vão ter a possibilidade de profundizar nos seus análises caseiros tentando achar uma chance de quebrar o escudo adversário, que até agora se mostra firme, tanto quanto o resultado após esta primeira metade (seis empates, 3 x 3).

Estadual classe C ante portas!


Poucos dias restam para a realização do estadual classe C organizado pela Fexerj que preside o mestre fide Alberto Mascarenhas (na foto, assistindo ao FENAC 2012). Os dados da prova são os seguintes:

Data: 26 e 27 de maio de 2012.
Suiço em 6 rodadas.
60 minutos para cada jogador.
Classifica para o Estadual Classe "B"
Participação: Aberto a jogadores federados com rating até 1599.
Valendo rating FEXERJ.
Local: AXXM - Associação de Xadrez Xeque Mate.
Avenida Ernani Cardoso 183 - Cascadura. (Clube dos Suboficiais e Sargentos da Aeronáutica.)
Premiação - R$600,00
Campeão - R$250,00 e Troféu
Vice-Campeão - R$150,00 e Troféu
Terceiro colocado - R$100,0 e Troféu
Quarto colocado - R$50,00 e Medalha
Quinto colocado - R$50,00 e Medalha.
Taxa de inscrição - R$20,00
Arbitragem: AI Elcio C. Mourão e equipe.
A federação, entretanto, acaba de anunciar a realização do estadual classe B, aberto aos enxadristas com rating Fexerj entre 1600 e 1899 mais os classificados no classe C, para os dias 2 e 3 de junho, no colégio Ipiranga (rua da Imperatriz, 296, Petrópolis)

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Novo empate entre Anand e Gelfand

Eugeny Sveshnikov (dir) visitou a sala de jogo no dia que os mestres empregaram a sua variante na Siciliana (foto chess-news.ru)
Para a quinta partida do match pelo título mundial que se celebra na cidade de Moscou, o campeão mundial decidiu mudar de abertura e abrir o jogo com sua antiga favorita, 1.e4 (se percebe que ainda não achou uma continuação prometedora nas variantes críticas da Grünfeld ou nas anti-Grünfeld), porém o resultado dessa estrategia não mudou: o desafiante equilibrou de forma cômoda utilizando uma Siciliana Sveshnikov (por coincidencia, o grande mestre Eugeny Sveshnikov visitou este dia o local de jogo, ver foto acima).
A variante siciliana empregada por Gelfand tem uma interessante história trás; na primeira parte do século XX foi utilizada por Lasker de forma esporádica, e logo por o mestre Jiri Pelikán, radicado na Argentina -que utilizava a linha com ...Be6, quase sem realizar o avanço ...b5-, mas foi Sveshnikov nos anos setenta quem a popularizou e fundamentalmente quem disenhou as linhas centrais estratégicas que demonstravam que as pretas tinham compensação dinámica pelas fraquezas criadas no centro (outros mestres russos como Timoshenko tiveram um papel importante também na difusão das ideias desta linha).
Nos anos oitenta e parte dos noventa era considerada uma das variantes mais agudas de todo o cenário enxadrístico, e teve a sua época de ouro na elite: práticamente todos os grandes mestres de primeiro nível a utilizavam. No entanto, a grande exploração teórica da linha e as resultantes da suas posições críticas (que derivam na maioria dos casos em finais de peças pesadas e bispos de cor diferente) fizeram que no nosso século seja considerada uma linha sólida onde o empate é o resultado mais provável (uma reputação quase semelhante à da Petrov), sendo por isso que na elite foi paulatinamente abandonada na hora de jogar a ganhar de pretas, escolhendo no seu lugar a Najdorf.
As políticas estratégicas no caso de match são diferentes, e um empate levando as pretas se considera bom resultado; por isso hoje Gelfand apelou esta variante, de cara ao meio ponto. O desafiante, cabe destacar, obteve ele sem maiores complicações. Como em casos prévios, Anand não escolheu a linha mais complexa, se decidindo por uma variante posicional de moda (11.c4), e apesar de introduzir uma novidade teórica não obteve mais que uma ligeira iniciativa, insuficiente para lutar pela vitória. Um cenário que se repite neste encontro...


Anand,Viswanathan (2799) - Gelfand,Boris (2739)

Moscou (Wch/5), 17.05.2012

1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 e5 6.Cdb5 d6 7.Bg5 a6 8.Ca3 b5 9.Cd5 Be7 10.Bxf6 Bxf6 11.c4 b4 12.Cc2 0–0 13.g3 a5 14.Bg2 Bg5 15.0–0 Be6 16.Dd3 Bxd5 17.cxd5 Cb8 18.a3 Ca6 19.axb4 Cxb4 20.Cxb4 axb4 21.h4 Bh6 22.Bh3 Db6


O momento crítico. Alguns comentaristas, como Anton Korobov, opinam que as brancas podiam procurar a iniciative mediante 23.Dc4, porém outros, como o treinador histórico de Gelfand, Albert Kapengut, pensam que ainda assim as pretas não têm problemas nesta estrutura

23.Bd7 b3 24.Bc6 Ta2 25.Txa2 bxa2 26.Da3 Tb8 27.Dxa2 ½–½

quarta-feira, 16 de maio de 2012

O Barão de Münchhausen, Amatzia Avni e Josef Krejcik


Karl Friedrich Hieronymus von Münchhausen (11 de maio de 1720 - 22 de fevereiro de 1797, ver disenho acima) foi um militar e senhor rural alemão que integrou (aproximadamente no ano 1750) o exército russo nas duas campanhas realizadas nessa época em Turquia. Os relatos (fantásticos e exagerados) das suas aventuras  serviram de base para a célebre série As Aventuras do Barão de Münchhausen, compiladas por Rudolph Erich Raspe e Publicadas em Londres no ano 1785 (Baron Münchhausen's Narrative of his Marvellous Travels and Campaigns in Russia). O Barão não era muito mais exagerado que os militares da sua época -se diz, incluso que era homem honesto nos negócios-, pelo qual a publicação das suas aventuras deterioraram na verdade a sua reputação, outorgándo-le uma inusitada fama de mentiroso oficial.
No século XIX a sua história sofreu transformações e muitos escritores adicionaram contos -incluso alguns deles com o xadrez como tema-, convirtindo ao Barão num personagem popular -muitos leitores soa séculos posteriores nem siquer souberam da sua existência real-. As aventuras se traduziram a muitos idiomas -foram especialmente populares na Rússia e nos países de centro-Europa-, abarcando mais de cen edições diferentes. A partir de disenhos de Gustave Doré, a sua figura ganha barba em ponta e se asemelha a da famoso cavaleiro espanhol Don Quijote.

***************************


A história do Barão vem a tona porque o mestre fide e conhecido treinador Amatzia Avni (autor de reconhecidos livros como Surprise in chess ou The Grandmaster´s mind) publicou recentemente (editado pela Moongose Press) The Amazing Chess Adventures of Baron Munchausen, um livro que apresenta diversos problemas e finais artísticos junto com partidas extraordinárias, sempre acompanhadas de introduções mais ou menos fantásticas.
Algumas delas podem-se ver no review realizado por Steven Dowd no excelente site chesscafe, seguindo o link abaixo:

***************************

krejcik

As mais populares -até esta publicação talvez?- das aventuras enxadrísticas do Barão de Munchhausen foram criação do mestre austríaco Josef Krejcik (conhecido por suas crazy aberturas, como 1.d4 f5 2.g4!?).
Krejcik (Viena, 1885 - 1957) foi além de mestre de xadrez e problemista uma testemunha do seu tempo enquanto autor literario e jornalista. As aventuras do Barão por ele criadas foram, apesar de entretenidas e originais, raramente traduzidas a outros idiomas além do alemã.
Nos centros de fala portuguêsa, as aventuras do Barão são conhecidas por um famoso e único conto de E. Iavitch (ou Yavich, e também pode ser um pseudonimo do próprio Krejcik, quem sabe) amplamente difundido nos blogs brasileiros - por exemplo aqui: